DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

A Política no Brasil em tons de verde e amarelo

A Política no Brasil em tons de verde e amarelo

A Política no Brasil em alguns tons de amarelo, azul e verde.
Ou, “caindo na real”.
Antes de seguir adiante tenho que esclarecer um ponto muito importante: Prevalece neste texto a isenção tal como expressa no site [i] da Democracia Participativa Total.
Nela, haver ou não partidos políticos não faz a mínima diferença, porque não elegem ninguém nem têm poder de decisão. Aliás, nenhum político tem, porque todas as decisões de Estado são votadas publicamente. Nos Estados também. O Brasil seria uma Confederação com mais liberdade para os Estados. Amamos o Brasil e o povo brasileiro, nossa nação e estamos certamente preocupados com os rumos de nossa política interna e externa que se reflete na economia. Como parece cinza, tal como uma nuvem em vários tons no céu de anil de encantos mil, vejamos o que há nesses tons [ii] iluminados por nossa bandeira.
O povo brasileiro
1.     O povo brasileiro
Como podemos definir o povo brasileiro e que importância isso tem na análise política econômica de nossa nação? Na verdade nem precisamos definir-nos as características. Somos um povo humano como outro qualquer. O que nos diferencia é o nível de cultura médio da população, os índices de pobreza, o nível dos serviços públicos, o desenvolvimento tecnológico, nossa posição relativa entre as nações do planeta. Isto inclui mortalidade infantil, produto interno bruto, IDH, e todos os tipos de análise usuais e disponíveis em Organizações Mundiais que juntam seus esforços para determinar como vai a vida neste planeta.
Sob este enfoque, estamos mal. Muito mal. Costumamos dizer que a América do Norte e a Europa são os locais do globo mais desenvolvidos. Que a Ásia tem bastantes pontos de desenvolvimento geral comparáveis à Europa e à América do Norte, que a África é o lugar mais atrasado do planeta. Nosso lugar pelos índices gerais de análise estaria em algum lugar da Ásia ou da África. Aqui na América do Sul, a maioria dos países nos dá um caldo em educação, em infraestruturas, e só perdem em tamanho, na classificação em termos de economia e geralmente no futebol. Mas onde está o erro se somos um povo trabalhador e empreendedor, não desistimos nunca, e somos tão ricos no solo, no subsolo, no mar, temos fábricas, prestamos serviços, somos autossuficientes em petróleo (a menos que nos tenham enganado), e somos donos das maiores riquezas minerais como minérios em geral e até em nióbio? Temos os cristais de quartzo mais puros do planeta para fabricar chips de computador e mesmo assim os importamos? Que nuvem nos assombra há séculos? Porque não podemos voar pelos céus do desenvolvimento livres dessas nuvens?
2.     O passado político que criou os hábitos até hoje

O governo domina a população

Nosso passado político passou pela submissão a uma metrópole europeia. Todos os países do mundo já passaram por uma submissão a outros países, toda a África já passou por isso, grande parte da Ásia, exceto a Rússia e até a China já foi invadida e dominada pelo Japão. Depois que as naus e caravelas começaram a traçar os oceanos, vindas todas exclusivamente da Europa, o planeta se tornou uma sua dependência. Países dependiam dela quer politica quer economicamente. Portugueses, franceses, holandeses, espanhóis, ingleses, belgas, alemães, todos eles tiveram colônias na África e/ou na Ásia, e/ou nas Américas. Todos eles fizeram e comerciaram com escravos, exploraram madeiras, derrubaram florestas, perseguiram tribos e nações autóctones, bombardearam aldeias e cidades, levaram ouro, minérios, riquezas. As próprias tribos africanas faziam escravos entre si que vendiam aos mercadores dos navios. A Inglaterra queria controlar o comércio do ópio na China e abriram uma guerra contra ela. Foram as duas primeiras nações do mundo a oficializar o comércio de drogas e a pirataria. Mas como isso se refletiu na nossa nação, em algumas outras nações também e em algumas outras não ou nem tanto?

Vila Rica


De 1500 até 1808 quando D, João VI veio para o Brasil, este território foi explorado como todos os demais países do mundo novo e da África. Podemos dizer que, exceto pelas leis que protegiam o Reino Europeu, as demais decorriam em função não de justiça, mas de conveniências de quem as podia ter quer por dinheiro quer por poder. A partir de 1808, o Reino de Portugal tinha aqui a sua capital no Rio de Janeiro. Pouco mudou. As riquezas eram tantas que se gastava à tripa-forra. O mal era de origem. Uma questão de pudor. Era assim já no continente, mas em outros países como França, Inglaterra, Holanda, não se podia mostrar ser mais papista que o papa, ter mais influência do que o Rei. Havia uma hierarquia bem definida, uma questão de princípios que, mesmo destoando dos de hoje por questões de evolução, também mantinham as mesmas diferenças. Países anglo-saxões, nórdicos, têm um polimento e uma lisura que os países latinos, descendentes políticos do caos romano, não conseguem igualar. Isto se estende à política. Todos têm seus erros, mas nuns os erros são hábitos, noutros apenas erros eventuais. Somos dos países que criaram hábitos. Enquanto nos demais países colonizados por outras potências, escravos eram uma sociedade à parte, por aqui o senhor do engenho se deitava com escravas, as oferecia em troca de favores aos políticos. A lassidão política gera injustiças.

Casa Grande & Senzala

Em 1822 nos tornamos independentes, mas mantendo laços fraternos. Afinal, o Brasil está povoado por uma saudável miscigenação entre europeus, povos autóctones e africanos. A partir desta data, a responsabilidade de mudar tudo o que estava errado já não era da metrópole. Ficamos assim abertos às influências do mundo ao nosso redor, ligados por telefone, aviação, marinha, ao continente europeu. Em 1889 resolvemos que não seríamos nem um reinado nem um Império e estabelecemos a República. Poucos anos depois, soubemos que havia um novo regime político disponível para todos os governos da Terra: O comunismo. Foi em 1917. E em 1939, na Europa, mais um sistema político surgiu: O Nazismo, fundado por um partido de trabalhadores alemão. Em todo esse tempo, desde 1808 até 1939, sempre progredimos razoavelmente, mas sempre na traseira de países que vimos crescer e dos quais temos que sentir certa inveja, porque tiveram praticamente o mesmo prazo para se desenvolverem após a independência: EUA, Canadá. Outros ainda, embora não passassem pelo estágio do colonialismo, vingaram de forma impressionante, como o Japão, Cingapura, os países nórdicos, e a fabulosa recuperação da Alemanha mesmo depois de destroçada em duas guerras mundiais. O que tem impedido o nosso desenvolvimento para que nos tornemos uma nação equilibrada como estas, ao longo de todo este período de experiências internacionais?
Não erraríamos muito se disséssemos que houve uma simbiose, uma conivência entre o dinheiro fácil auferido por políticos no governo que não viram a necessidade de desenvolvimento nacional porque podiam importar tudo de fora, e a conformação popular que para sobreviver se aproveita dos sete pecados capitais desses políticos e lhes compra benefícios, favores, em troca de propinas. Com esta mentalidade, qualquer sistema político não vai muito longe na melhora das condições de seus cidadãos seja comunista, capitalista, de direita ou de esquerda.

tempos de ouro já mortos do comunismo

Foi assim que, a partir de 1959, em plena guerra fria, e com a revolução cubana, a ideia do comunismo, ou algo mais moderado como o socialismo, começaram a tomar vulto no Brasil. Alguns presidentes chegaram a condecorar Che Guevara e a enaltecer líderes do comunismo sul-americano, um comunismo “tropical” romanceado com ideias de pirataria e heroísmos da Cavalaria feudal. No início formaram-se grupos armados que pensavam que instruindo e motivando as populações, se conseguiria mudar a mentalidade nacional, a nossa idiossincrasia. Esses grupos recebiam ajuda de Cuba, que por sua vez a recebia da China e da URSS, e promovia assaltos a Bancos, raptos. Em 1964 forças políticas se insurgiram e as Forças Armadas foram o seu braço. Muita gente ainda pensa que a revolução de 1964 foi iniciativa das forças armadas. Claro que não foi. Foi um trato entre políticos de direita, empresários (que tinham o dinheiro necessário) e militares. Em 1985 a esquerda democrática assumiu os destinos do Brasil. A partir de 2002, com a ascensão de Lula, a esquerda capitalista assentou-se no poder.
3.     A situação política atual e as eleições de 2014.
Depois dos rompantes psicológicos de Collor, muito parecidos com os do transtorno bipolar [iii], a população foi para as ruas pedindo o Impeachment. O senado deu ao povo o que pediu. Collor era nitidamente de direita moderada, por seus pronunciamentos. Na verdade, como empresário de família de empresários, era de direita. Se juntarmos tudo o que dissemos até agora, não teremos de que nos admirar de todos os partidos políticos de maior relevância no Brasil serem – ou se dizerem – de esquerda. Na verdade, só no diálogo.  

Fora Collor já não se grita mas ainda se diz

Mas como dizer que são de esquerda, se as empresas no Brasil fazem o que querem, incluindo deficiência em serviços, sem fiscalização do Estado, de tal modo que se alguém quiser reclamar terá que dirigir suas reclamações a juízes do próprio Estado? Até o governo de Collor e uma meia dúzia de anos mais, o Estado exercia a fiscalização, aplicava multas, fechava empresas. Agora é o cidadão que tem que se incomodar indo a repartições várias vezes por mês para deixar entregue a um juiz de pequenas causas as suas reclamações. Isso demora, nem sempre é resolvido, e no caso de planos de saúde pode determinar a vida ou a morte. Casos atrás de casos de corrupção em todos os partidos se acumulam sem solução nas páginas dos jornais. Os juros bancários são os mais altos do planeta, insuportáveis por uma população majoritariamente ignorante de matemática financeira. Verbas dos Estados e do governo central são destinadas a obras que ficam paradas. Como sabemos, a culpa de estarem paradas irá recair sobre o governo, e isso é dinheiro “em caixa”, porque as empresas ganharão correções financeiras mesmo sem gastarem um centavo. Estamos pagando juros por obras paradas. A maioria da população não se dá conta disto. Ninguém aparece para agilizar as obras. As obras do PAC são um exemplo. Nossas forças armadas estão sucateadas, e á frente do ministério da defesa estão generais que não deveriam estar por terem passado da idade, mas que foram mantidos porque pertencerem à filosofia do partido no poder, o PT.

o Brasil descobriu o que quer. Os políticos ainda não

Estradas estão esburacadas, os portos funcionam a meio vapor, safras já foram parcialmente perdidas. Os serviços de saúde têm muitas deficiências. O ensino não melhorou, creches fazem falta. Os transportes públicos são antigos, transitam fora dos horários, os preços não justificam o preço, ônibus são queimados todos os dias, composições de trens são depredadas por população revoltada. E isto começa a agradar à população em geral, que se revolta contra um governo como cavalo xucro se volta contra o cavaleiro.  Não é de se esperar uma ajuda moral do empresariado para uma aproximação à direita porque não lhe parece necessária: Podem fazer o que quiserem, emitirem o tipo de contrato de serviços que quiserem sem serem molestados pelo governo. O povo continua sendo o escravo que paga não só o que consome para se alimentar, como ainda para ser transportado, morar, e sustentar os gastos da corrupção e do governo. Os critérios para aferição de inflação, de produtividade, de educação e outros, são constantemente adaptados para não mostrarem a realidade. Estamos deixando de investir na produção. Nossa indústria não se atualiza, não se desenvolve. Importamos tudo, até o que poderíamos fabricar aqui. Em poucos anos mais, deixaremos de ser a sexta economia do mundo e logo deixaremos de ser a décima, a vigésima, até que tudo mude novamente. Mas com o declínio de nossa economia, menos impostos serão recolhidos. Os programas do governo encolherão. Precisamente numa fase da economia mundial em que todos os países parecem voltar a crescer. Enquanto isso, o Nordeste continua seco, sem água, morre de sede meu gado, meu alazão. 

Obras paradas da Transposição do São Francisco


A esquerda ficará no governo enquanto houver capital, ainda imbuída de características de heroísmo, cavalaria feudal e pirataria. Aliados ao dinheiro “colonial”, fácil, da arrecadação de impostos, os atos de governo deixam de ser relevantes. A palavra, para um povo carente de educação e cultura, consola, dá esperanças... O capital mantem no poder o comunismo verbalizado para "inglês ver". Nossa política é corrupta desde nascença, e isto tem que mudar.  

Qual a porcentagem média de pobres entre 1822 e hoje? O que mudou e o que mudará?
® Rui Rodrigues

 



[ii] Não publicarei estatísticas, embora este texto seja nelas baseado, por se tratar de uma impressão geral. Para matemáticos eles têm um significado. Para o povo comum, a importância é relativa. O texto é para todos.
[iii] Era voz corrente que ele agia como se cheirasse pó (cocaína)... Ficou conhecido como Fernandinho do Pó e cumprida a pena de afastamento, voltou à política. Seu voto ainda conta no plenário onde a vida nacional se resolve. 

 

® Rui Rodrigues

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



[ii] Não publicarei estatísticas, embora este texto seja nelas baseado, por se tratar de uma impressão geral. Para matemáticos eles têm um significado. Para o povo comum, a importância é relativa. O texto é para todos.

[iii] Era voz corrente que ele agia como se cheirasse pó (cocaína)... Ficou conhecido como Fernandinho do Pó e cumprida a pena de afastamento, voltou à política. Seu voto ainda conta no plenário onde a vida nacional se resolve. 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    1






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: