DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Cabum ! Preparação para nova guerra ?

Cabum ! Preparação para nova guerra ?

CABUM

 Poderíamos prescindir disto se não houvessem loucos no governo

 

  1. Não sou vidente

 

Não sou vidente. Li tudo o que podia na História Universal e livros de todas as matérias, e não tenho por costume enganar-me, mas erro por vezes nos prazos. Algumas coisas acontecem antes, outra depois do “quando” em que previ que iriam acontecer. Ultimamente tenho me limitado a referir-me a longo, médio e curto prazo. São os sinais. São os sinais que analisados em conjunto, nos apontam o caminho, embora não bem definido, para onde o mundo, a humanidade, vão. A história se repete assim como a natureza se repete em folhas, rios, flores, com as mesmas características básicas, embora o aspecto seja sutilmente diferente, como entre uma rosa e uma tulipa, ou uma folha de álamo e uma de parreira.

 

Parece haver uma ordem no mundo e na natureza, também na humanidade, que não conseguimos ainda definir nem no mais moderno e mais potente computador. Essa ordem, constituída por leis, define os rumos, o caminho do mundo que nos cerca. Vejamos por exemplo, o caso do mundo na época de Hitler, em 1939, quando sob seu comando a Alemanha aliada à Áustria invadiu de forma imprevisível a Polônia e deu inicio à segunda guerra mundial.

 

  1. A desordem na metade do século XX

 

Naquela época, até um ano antes do conflito, mais ou menos, o mundo parecia estar saindo de uma recessão violenta que levou para as ruas em extrema pobreza, filas e filas de desempregados buscando algum tipo de emprego para garantir o sustento. Jornalistas que percorrem o mundo e tem seus contatos, alertavam sobre os perigos de uma Alemanha que, contrariando o Tratado de Versalhes, se militarizava e treinava suas tropas em outros países, já que estava proibida de fazê-lo. Todas as forças armadas de todo o mundo europeu sabiam sobre os acontecimentos, os cidadãos de todas as nações sabiam da instabilidade, do armamento, da pobreza espalhada, e os que alertavam pareciam não ter crédito. A vida continuava, algumas instituições ajudavam os mais necessitados, dançava-se o “Fox Trot” herdado dos anos 20 por todas as casas de diversão, os cinemas estavam cheios, havia glamour por todos os cantos do planeta. O mundo, apesar das notícias, era um encolher de ombros, uma descrença de desgraça. Quem falasse no perigo, era “pessimista” que incomodava quem queria viver em paz, longe desses assuntos, curtir a vida. Já se vendiam rádios ou goniômetros, que aliviavam a vida em casa, disseminavam notícias. As ruas já estavam cheias de ônibus, automóveis, lojas com as ultimas novidades da moda. Parecia que nada de novo poderia ser inventado, e as “invenções” que apareciam em gibis, eram pura ficção cientifica, impossíveis de serem fabricadas. Alguns cientistas e estudantes de universidades acreditavam, nas ninguém acreditava neles. Ainda se morria de pneumonia, de sífilis, pelas ruas crianças portavam aparelhos para permitir a locomoção, impedida pela paralisia infantil. O mundo parecia que não iria mudar sensivelmente. Os sinais de perigo pareciam boatos infundados, e mesmo que fossem verdadeiros o pior jamais aconteceria. Não tinham a mínima noção do que poderia ser o “pior”.

 

A humanidade é feita de sobressaltos que provocam saltos repentinos, mas também é muito paciente e desfocada até que venham os sobressaltos. Passa por cima dos sinais, que despreza. É como se a humanidade não tivesse adrenalina e não sentisse os sinais de perigo. A alienação parece ser conveniente para não perder os prazeres e confortos da vida. E quando chegam os tempos de guerra, adota-se o lema de que “é preciso viver a vida” mesmo sabendo-se de soldados mortos no front. A vida corre normal longe dele, como se a guerra não existisse. E poucos se lembram daqueles tempos recentes, pouco tempo atrás, quando não deram ouvidos aos sinais. A recessão poderia ter sido evitada, a guerra evitada.

 

Durante a guerra a humanidade viveu aos saltos e sobressaltos, e inovações tecnológicas ultrapassaram a ficção dos gibis. Surgiram foguetes, aviões modernos movidos a jato, vacinas, penicilina, e a energia nuclear, bombas nucleares. Cometeram-se atrocidades como o holocausto, e nem a guerra havia ainda terminado e dois aliados, EUA e URSS começaram a envolver-se em espionagem industrial, numa guerra fria. Na verdade, e muito mais do que isso, numa guerra fria entre o comunismo russo e o capitalismo ocidental. Fora o capitalismo ocidental quem vencera a guerra. Já no passado os “bárbaros”, em sua maior parte germanos, haviam invadido Roma. Durante as cruzadas foram parte presente e constante em todas as batalhas. Em 1914 declararam guerra ao mundo e perderam. Agora, em 1945, amargavam mais uma derrota assim como o seu aliado Japão e a irrequieta Itália, herdada de Roma. A guerra chegou irremediavelmente ao fim com o uso de duas bombas atômicas lançadas pelos EUA contra o Japão.

 

  1. A reposição da ordem e a preparação para a desordem.

 

O período do pós-guerra foi muito difícil, mas regado com a esperança de reconstruir um mundo novo. O mundo novo foi reconstruído sem que a humanidade houvesse parado com as guerras entre si. Foi difícil em meio a uma guerra fria incluindo a queda de braço entre ocidente e a URSS devido aos mísseis de Cuba, guerra na Coréia, no Vietnam, revoltas, genocídios em África, até a queda do muro de Berlim, a Perestroika, o fim do comunismo. O comunismo só sobrevive enquanto houver dinheiro disponível nos mercados que o sustentem. Sem dinheiro não é possível financiar projetos, comprar equipamentos no mercado exterior. O mercado de “trocas”, do gosto comunista, sem o uso de dinheiro, sempre dá vantagem ao outro lado que o tem. 

 

Todos os anos os jornais se têm enchido de noticias de guerra em todos os continentes exceto nas Américas. Não fugimos à luta por aqui, mas detestamos guerras. Houve uma guerra sim, entre a Argentina e a Inglaterra, que demorou mais a terminar pela distância que a Inglaterra teve que percorrer até chegar à Argentina. Afora isso, somos um continente em paz. Deveríamos estar orgulhosos disso, termos um progresso social que se pudesse constatar ao viajar pelos países, e não pelos números de progresso que as propagandas de governo alardeiam e que contrastam com a realidade visível, até porque não temos despesas de guerra. No entanto quer os EUA, quer a Europa, os mercados que sustentam o restante do mundo por seu poder de compra e seu espírito consumidor, estão em recessão técnica, com grande retraimento e compram menos no mercado dos países emergentes e nos demais. A crise foi provocada por erros do sistema bancário, posteriormente cobertos com verbas públicas praticamente doadas por todos os governos para evitar uma crise inevitável: A política, porque mesmo com a crise econômica resolvida, era de esperar uma crise política por deterioração dos serviços públicos e da oferta de emprego. A crise política chegou, mesmo antes de resolvida a crise econômica mundial.

 

  1. O começo de nova desordem mundial.

 

Acontecimentos ao redor do mundo nos mostram os preparativos para a desordem, dos quais podemos listar alguns mais importantes, por seu impacto no ideário mundial de ansiedade por um mundo de paz, de tranqüilidade, próspero com bem estar e emprego para todos (sem preocupação com ordem cronológica):

 

  • Movimentos de rua no Brasil, na Inglaterra, na França, na Itália, na Irlanda, na Grécia, na Rússia, na Espanha, em Portugal, na Venezuela, no Chile, a primavera árabe em quase todos os países do norte de áfrica.
  • A crise de credibilidade política por problemas ligados com corrupção que afetaram quase todos os países do mundo, a maior parte deles com governos socialistas.
  • O esvaziamento do campo na Europa e a corrida de cidadãos para as cidades em busca de emprego. Alguns países chegam a ter 40% de desemprego [1] entre a juventude. Recomeça novo ciclo de emigração para países onde ainda – AINDA - há trabalho.   
  • O aparecimento de cidades fantasmas na China [2], e a bancarrota declarada da cidade de Detroit nos EUA [3]
  • A propaganda (falsa) de governos que para se sustentarem usam a propaganda para mostrar que a economia vai bem, que tudo vai bem, quando se nota pela realidade que tudo vai mal. Isto  provoca ainda mais indignação popular e os partidos e os políticos perdem a credibilidade.
  • A mobilização social que desvenda os erros e a corrupção e desmascara a propaganda dos governos.
  • A busca de novo modelo de Constituição e da forma de governar que resolvam o que os modelos até agora existentes não conseguiram solucionar. Quem pede é a sociedade mais esclarecida, e agora, devido á crise econômica, também os partidos de esquerda e socialistas que perdem poder aquisitivo com a crise.

Para quem estuda história e lê tudo que esteja ao seu alcance, não é difícil entender que estamos no limiar de uma nova e verdadeira crise ampla mundial que envolve não só a economia como a política. É certo que é necessário melhorar a educação – sempre – em todos os países, mas o conhecimento atual da população mundial, grandemente proporcionada pelas redes sociais, já é suficiente para que se entenda que o mundo como está, não está bem e precisa ser mudado.

 

Eu proponho a Democracia Participativa [4] começando pela aprovação de nova constituição votada item por item pelas redes sociais. O povo sabe o que quer. Os governos devem obedecer, porque foram eleitos para isso.

 

O mais urgente possível, antes que aconteça novo CABUM... E o mundo se envolva novamente em conflitos nacionais e internacionais, iniciando novamente longo estado de instabilidade e violência. Para uma geração que não conheceu a guerra, outra seria uma desagradável surpresa. As guerras começam quando há muitos desempregados, não há perspectivas de vida decente em curto prazo, e qualquer outra atitude, que se pensa ser para “mudar”, começa a ser bem vinda...

 

© Rui Rodrigues

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    1






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: