DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Crise Mundial de 2008 – Fundamentos

Crise Mundial de 2008 – Fundamentos

sonho de josé

 Crise Mundial de 2008 – Fundamentos 

 

Se procurarmos nos antecedentes da crise de 2008 encontramos muitas referências. As crises acumulam-se, espalham-se. São assim desde que a humanidade teve consciência de que existia. Algumas referências perdem-se no tempo de nossos esquecimentos. Outras ficam-nos na memória para sempre ou são coletadas dos livros de história.

 

Podemos imaginar no Antigo Egito, antes que se inventasse a moeda, que num ano de safra normal de trigo uma arroba valesse uma arroba de boi em pé, que num ano de safra ruim de trigo, uma arroba valesse cinco arrobas de boi em pé, e que num ano de safra excelente, ninguém trocasse uma arroba de boi em pé por menos de cinco arrobas de trigo. Podemos imaginar a situação de um faraó, dono de enorme rebanho, em ano de safra ruim de trigo ter que vender toda a sua manada por pouco trigo. Imediatamente mandaria seus escribas negociantes à Mesopotâmia para importar trigo de tal modo que a disponibilidade de mercado parecesse como numa safra normal: Uma arroba de trigo, uma arroba de boi em pé. Se fizesse um esforço suficiente, poderia até vender uma arroba de boi em pé, por uma e meia de trigo ceifado, limpo, escolhido, selecionado, pronto para moer. Um faraó mau caráter, em ano de má safra de trigo poderia recomendar sacrifícios de bois nos templos de forma tal que os rebanhos quase se exaurissem nos sacrifícios. Quando chegasse a colheita, haveria poucos bois para vender, tal como o trigo, e a arroba de seu rebanho poderia valer uma e meia de trigo apesar da má safra: o povo sacrificava os bois, mas o faraó, não.  

 

É isso que fazem com o dinheiro, que o tem a rodos: os Bancos. Bons banqueiros fazem sempre parte de duas entidades: a dos seus Bancos e do FMI. O grosso do dinheiro disponibilizam no FMI, onde o risco é mínimo, porque serve para emprestar a nações, protegidas por forças armadas, polícias, constituições, e cidadãos dignos. Aqui o dinheiro está seguro, os cidadãos podem pagar pelo dinheiro, com juros sobre os impostos e com estes. Quando os políticos resolvem, em associação com os bancos, enxugar o “capital”, este falta e temos uma crise. A crise tanto é maior ou restrita, dependendo da importância do país no cenário econômico mundial.

 

Países com ministros economicamente fracos ou fortes não fazem a mínima diferença, assim como também não importa se são de potências econômicas ou não. No primeiro caso, levam a sua economia ao desespero porque não sabem fazer o seu trabalho e acabam por recorrer ao FMI para suportar os desperdícios, sempre à custa dos cidadãos que pagam pelo descalabro. No caso contrário, os ministros são sempre indicados a partir de sua “experiência”: Eles vêm de experiências com bancos por que já passaram por eles e conhecem bem os “acionistas” do FMI. Normalmente já foram diretores desses bancos. Com as constituições disponíveis no mercado, os ministros de economia sendo nomeados por questões de “confiança” de governos, não há luz à vista no final do túnel: As crises suceder-se-ão umas às outras, com fartura de dinheiro no mercado, seguida de recolhimento dos lucros, a falta de dinheiro no mercado e a recorrência ao FMI para obter empréstimos.

 

Com falta ou abundância de petróleo, com altas ou quedas de bolsa, com safras enormes ou safras reduzidas, com o dólar alto ou baixo, o FMI está sempre de malas prontas para ‘ensinar” os senhores da economia como controlar a inflação, como reduzir o déficit público, como aumentar a produção.


Tudo a juros mais ou menos altos, conforme a sede de enriquecimento dos banqueiros. Pra isso contam com empresas “particulares” que analisam as finanças e classificam as nações como boas pagadoras de juros, ou más pagadoras.


As nações agora têm um selo de qualidade ISO-financeira. E não adianta sabermos ou não votar: Os candidatos estão todos comprometidos com este sistema em que teimamos em chamar de democrático. Pela primeira vez na história, em 2008 os governos das maiores potências retiraram dos cofres públicos enormes quantidades de verbas públicas que fizeram falta para a administração. A crise que não existia – bastava deixar falir três Bancos – passou a existir, e o dinheiro cedido para corrigir estes Bancos, passou como que milagre para o FMI que agora desfila seus homens e mulheres cheios de pastas, malas e bolsas, para ensinar os governos a diminuir as verbas da administração pública. Como resultado, faltarão serviços de saúde, de segurança pública, de transportes, de saneamento, de educação.


Democrático seria se pudéssemos destituir assim como contribuímos para constituir os representantes, incluindo ministros e assessores, não apenas vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores, presidentes: pelo voto!

 

Mas só nos permitem – cautelosamente – que votemos apenas para eleger de quatro em quatro anos num grupo que não selecionamos, todos eles filiados a partidos que têm os seus próprios interesses. Deseleger, jamais! Isso depende apenas de quem elegemos, deselegendo uns aos outros não por incapacidade administrativa, mas porque se comportam “mal”... Entre eles, claro!

 

Rui Rodrigues

 

Apêndice:

 

  1. Sobre Democracia Participativa nos moldes da Constituição Suíça, da Islândia, Noruega, Finlândia, Suécia, ver  http://conscienciademocrata.no.comunidades.net/
  2.  Sobre as crises econômicas desde 1929, ler o magnífico artigo de Paulo Roberto de Almeida em http://www.pralmeida.org/05DocsPRA/2013CrisesFinancBr1929Plenarium.pdf
  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    1






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: