DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Economia - Um jogo de Pôquer ?

Economia - Um jogo de Pôquer ?


Em busca de um novo entendimento para a economia mundial

  economia - um jogo de poquer

Economia e “palavra”, no sentido de honra, estão intimamente ligados desde os princípios da humanidade. Quando se inventou a escrita, a “palavra” passou a ficar registrada por escrito para que todos a pudessem ver, entender, e não negar que tinham lido e entendido.

Nos primórdios das trocas comerciais conhecia-se a palavra da “honra”, aquela que assegurava qualquer troca comercial, entre os contratantes e seus herdeiros. Como não havia moeda que representasse um valor fixo de referência, as trocas comerciais se faziam na base do escambo: trocas de mercadorias, sendo os valores de referência baseados em bois, cabras, legumes, frutas. Podemos imaginar que em tempos de seca ou de enchentes, com as safras perdidas, gado e criações perdidas, os valores de referência sofressem sensível variação que provocava verdadeiras catástrofes entre criadores, plantadores, e as populações que tinham que pagar com mais trabalho para obter menos mercadorias nas feiras diárias, populares. Os historiadores do passado remoto estavam mais interessados em contar os feitos de seus reis e príncipes do que em contar as desgraças, por motivos óbvios: Os escribas eram pagos por esses reis e príncipes, e o que dava fama eram as coisas “boas” que aconteciam no reino. Essa tradição dos escribas se estendeu até o advento da democracia mais plena, em que o povo tem o direto a se expressar pelo voto, o que somente aconteceu a partir de meados do século XIX, e assim mesmo restrito a uma pequena quantidade de nações do planeta.

A variação dos valores de referência eram perfeitamente entendidos pela população quando se devia a causas naturais. O que era difícil de aceitar era a variação por aumento de impostos ou por ambição de reis e príncipes, a menos que uma causa nacional, como uma guerra, o justificasse. Quando não havia explicação razoável para o aumento dos valores de referência, o povo ficava sem noção do que acontecia. Não conheciam ainda o que atualmente chamamos de “inflação”, e que tanto se pode dever a uma deficiente administração, gastando-se mais do que se arrecada e obrigando à emissão de moeda sem o correspondente lastro, ou a ambição da classe produtora em alguns ou todos os setores da economia – por fraqueza das leis de governo – e que não exerce controle sobre os preços. Agora, em pleno ano de 2012, quando há deflação nos preços em todo o globo, com recessão nas principais economias, o Brasil exportando menos e diminuindo seus valores unitários de bens exportáveis para poder continuar no mercado de forma competitiva, os preços internos aumentam, na contra-mão das leis da economia. É um claro pacto entre governo e classe produtora, contra os interesses dos cidadãos. O estado já não governa: Assiste a uma classe terceirizada governar, refazendo-lhe as leis nos corredores, emitindo Medidas Provisórias que as alteram, suprimem, distorcem.

A lei serve agora a economia e não os aspectos sociais dos cidadãos. Os Bancos cobram os juros que querem. Se cobrarem duzentos por cento ao mês não haverá forma do Estado controlar essa cobrança. A lei é ampla no entendimento de “mercado livre” ou de “neoliberalismo econômico”, mas o estado obriga o cidadão ao pagamento sobre lei de juros imposta por Bancos. Agências do Banco Itaú já não grampeiam comprovantes de pagamento aos respectivos cupons – ensejando a perda do comprovante – o ar condicionado nas agências foi reduzido ao mínimo – há infiltrações, nem todas as lâmpadas funcionam. O que importa é ganhar dinheiro, sugar dinheiro de uma massa socialmente anônima, tocada como gado dentro das agências independentemente da idade, desde que a agência dê o maior lucro “possível”. As reclamações batem em juízes do Estado ou da União. Nem uns nem outros estão interessados no aspecto social deste gado especial por que é extremamente educado.

A economia se rege por muitos fatores e favores. É uma ciência “exata” apesar do caos aparente. Uma borboleta batendo as asas em Wall Street não muda as regras nem a evolução da economia, mas um banqueiro dizendo que sua empresa passa por aperto financeiro que se pode espalhar pelo globo, pode. Já aconteceu algumas vezes com conseqüências catastróficas para as nações. Alguns banqueiros se suicidaram, outros também perderam suas ações, mas o que sobra deles sempre fica mais rica após estas crises: É como um jogo de cartas marcadas, em que muitas vezes um poker de ases perde para um Royal straight flush, ou o jogador que tem este jogo sofre um ataque cardíaco antes de mostrar o jogo. No entanto, o “enfoque” do que é comercializável e para onde se devem canalizar os investimentos, tem sido o segredo dos empreendedores mais bem sucedidos ao longo do planeta ao longo dos séculos. Nestes casos, a excelência está em ser sempre o primeiro a possuir e vender determinado produto novo que “agradará” ao mercado e do qual este fique pendente ou dependente. O mercado das drogas são um bom (socialmente péssimo) exemplo desta premissa. A propaganda se faz de pessoa a pessoa, ou vinculada à mídia. Não raro se faz propaganda antes da nova mercadoria invadir o mercado. É um tipo de propaganda por “indução”.

Até meados do século XIX não era raro que os governos, em época de crises que geravam desempregos, lançassem mão de obras públicas para manter a sociedade em um nível razoável de sustentação. Com a canalização recente de verbas públicas para cobrir deficiências prováveis ou fictícias em organismos financeiros, esta modalidade fica impossível.  Como acabamos de ver, alguns Bancos economizam tanto em grampos para juntar comprovante de pagamento com cupom de talão de pagamentos, que duvidamos que estejam preocupados em garantir o emprego de cada vez maior numero de cidadãos desempregados.

Mas onde estará, então, a nova inteligência para a economia da crise mundial com que nos defrontamos na zona do Euro, com o baixo crescimento dos países emergentes e das maiores economias mundiais e com o “pibinho” que logo se transformará em “pibete” da nossa querida nação brasileira?

É uma questão de mudar o enfoque e haverá trabalho e desenvolvimento para todo o planeta.

O enfoque atual dos governos, e de modo geral, é dividir as verbas públicas em “fatias” de um bolo construído com recolha de impostos, para atender o que se chama de administração pública. Uma parte vai para as forças armadas, outra para o funcionalismo público, e muitas outras fatias para reserva de ajuda a empresas perdulárias, educação, saneamento básico, ONGS de caráter duvidoso ou atuantemente eficientes. A iniciativa privada continua olhando o mercado com os anteolhos do aqui e agora, e num futuro interdependente do aqui e agora, como, por exemplo, a indústria automobilística que olha com desprezo para as leis. Estas são claras quanto às velocidades máximas, mas os fabricantes continuam fabricando carros para “voarem” pelas estradas.  Não fosse assim, e os motores seriam bem mais baratos e consumiriam menos combustíveis fósseis. Porém, a falsa moral é como a das drogas: “Não se pode acabar com as drogas porque elas dão emprego a uma boa parte da sociedade”, e poderemos até ficar impressionados com o conceito de “boa parte da sociedade” aplicada ao comércio das drogas que, diga-se de passagem, nem impostos pagam. O comércio internacional ficaria muito grato aos governos se considerassem suas industrias como “ilegais” contanto que não lhes fossem cobrados impostos, tal como no caso das drogas.  Parece á primeira vista que ou não entendemos muito bem os caminhos da lei e de sua aplicação, ou não entendem muito bem de economia. Talvez até nem nos entendam e seja necessário mostrar-lhes o que queremos. 

Podemos refletir sobre alguns programas de cooperação internacional que gerariam empregos, desenvolveriam a ciência, canalizariam recursos, dariam um “rumo” á humanidade, que até ao momento tem vivido colada a este planeta, vendo os dias se sucederem às noites sem uma meta comum, um objetivo, cada nação puxando para um lado, para um interesse, sem aparente conjugação de esforços. Esta falta de conjugação de esforços geram desperdícios e não têm objetividade.

Vamos construir nossas bases em Marte, no planeta Europa, preparar escudo de defesa contra meteoritos, erradicar a pobreza com programa massivo de produto de alimentos saudáveis, levar a educação a cada lar do mundo, mesmo que o lar seja a parte debaixo de um viaduto, de uma ponte, construir saneamento básico em todas as localidades. Cada cidadão com seu computador pessoal. Podemos lembrar-nos que se, por exemplo, as fábricas atuais de computadores pudessem fabricar o dobro, os preços se reduziriam por questão de economia de escala. Mas porque não fabricam o dobro?  Porque não há mercado. E porque não há mercado? Não será por que está caro, ou porque se fabrica pouco, ou porque não há empregos para todos? Porque razão, ao fim de alguns anos definidos em lei, as invenções caem em domínio público e não mais se podem cobrar royalties, e o Windows, vencido todos os prazos, ainda não é de domínio público e custa caro?

 

Constatamos que se podem mudar as leis. Mas também constatamos que para uns se aplicam e para outros não, por divergência de “interpretação”. Quem tiver um Royal straight flush ganha!

 

Rui Rodrigues. 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: