DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Goa, Damão e Diu – Outra verdade!

Goa, Damão e Diu – Outra verdade!

Notícias de Salazar sobre Goa, Damão e Diu


Goa, Damão e Diu – Outra verdade!

Vivíamos quase iludidos. Salazar falava dos ventos da história. Ele conhecia os ventos da história, mas sob a sua ditadura, as notícias que nos chegavam sobre tais ventos eram passados pelo filtro da vontade de Salazar, o “domador de lusos”, que os mantinha controlados no chicote. Porém, o pouco que se sabia era suficiente para sabermos quem tínhamos no poder.

Com Goa como capital do Estado português da Índia desde 1505, esta parte do território português incluía boa parte da costa de Malabar na península de Guzerate, incluindo Damão, Diu, a ilha de Angediva a sul de Goa, Dadrá e Nagar Haveli, Simbor e Gogolá, Bombaim cedida à Inglaterra como bodas de casamento de Catarina de Bragança, de Portugal e o rei Carlos II de Inglaterra. Em 1947 a Inglaterra, por ação do grande Mahatma Gandhi, reconhece a independência da Índia que pede a devolução de todas as possessões portuguesas. Levado o caso ao tribunal de Haia e às Nações Unidas, era evidente que deveria devolvê-los exatamente por aqueles ventos da história a que Salazar se referia. Salazar, domador de lusos, também queria domar estes ventos. Portugal manteve esses territórios até 1954. De 1954 a 1961, Portugal apenas conseguiu manter Goa, Damão e Diu. Nessa oportunidade Portugal tinha o maior exército ativo da Europa, e gastava os recursos da Pátria para combater ventos. Enquanto Portugal tinha cerca de dez milhões de habitantes, a Índia – ou União Indiana como se conhecia em Portugal – contava com cerca de 600 milhões. Era uma luta desigual, um David às avessas lutando contra 100 Golias que nem atacavam armados. Gandhi queria tomar posse do que era seu de forma pacífica tanto quanto possível.

Em 1954 eu tinha nove anos. Não entendia muito bem os acontecimentos, mas sabia o suficiente para me preocupar em crescer rapidamente para lutar ao lado dos meus patrícios. Quando me fui despedir de um primo, o Gabriel André, que partia num transatlântico mobilizado para transporte de tropas no Cais de Sodré, ainda lhe disse que um dia seria eu a entrar num navio daqueles. Eu leria todos os livros de Emílio Salgari, mas até aquele momento só tinha lido – Sandokan conquista um trono e achava a guerra colonial uma aventura a sério onde se podia ser herói vivo. Resolvi que logo que pudesse eu entraria para a marinharia da Mocidade Portuguesa. E um ano depois em 1955, sendo obrigatória a participação nessa Mocidade perdida, entrei, fui promovido a “arvorado em comandante de castelo” e no ano seguinte eu estava na marinharia. Meu primo continuava vivo por lá, na Índia, longe da família. Com onze anos eu já me preocupava em saber como minha prima, a mulher dele, conseguiria passar tanto tempo sem ter relações sexuais, se eu, com onze anos, já não podia passar alguns dias sem me masturbar. Achei que ela deveria fazer o mesmo.

Em 1960 eu já tinha 15 anos. Portugal já não tinha apenas o problema da Índia. Os ventos sopravam também em Angola, Moçambique, Guiné, em todos os territórios coloniais. Nas lanchas da marinha que me levavam aos sábados para a base do Alfeite, do outro lado do Tejo, de frente para Lisboa, a caminho da instrução militar da marinharia, ouvia-se de tudo, víamos fotos que jamais foram para os jornais. Eram atrocidades cometidas por ambos os lados em África: mulheres grávidas com os fetos arrancados e pisados, braços cortados com os seios nas mãos, um sem fim de gônadas cravadas em estacas ao longo das estradas, colares de dedos enfeitando o pescoço de falsos heróis.  

No Liceu Gil Vicente, comentavam os professores de forma velada, que a juventude portuguesa estava sendo enviada para a morte a troco de nada porque era irreversível a independência dessas nações, a exemplo do que estava acontecendo no mundo. Portugal não seria exceção. Um primo que morava em Luanda, Angola, chegou de férias a Lisboa. Contou-me o que era a vida nas “províncias” ultramarinas e como alguns dos donos de terras ou de empresas batiam de chicote nos negros trabalhadores. Quando associei este fato com os hindus que atacavam sem armas, as mulheres com macas percorrendo os campos para recolher os mortos e feridos, percebi qual era o lado errado. Eu estava do lado errado e comecei a lamentar estar na marinharia, pronto para defender não uma nação, mas um louco que subiu ao poder. Um ditador que domava lusos apoiado por bajuladores que sempre esperavam migalhas de sua condescendência.

Meu pai estava no Brasil desde 1951, e eu já começava a acarinhar a idéia de largar o país, largar os amigos, largar tudo, não para fugir por medo, mas para não participar dessa ultrajante “defesa” do território.

Em 1961 passei minhas últimas férias em Portugal, em Sesimbra. Lá comecei um namoro com uma moça, Luísa, que morava no Bairro das colônias em Lisboa, onde moravam também os ministros de Salazar. Contou-me algumas coisas, em Outubro, quando a fui visitar como cortesia. Nosso namoro fora apenas de férias. Antes das férias terminarem, ela já estava na garupa da lambreta de um francês. Eu não tinha lambreta e lá em casa ninguém tinha carro. Uma das coisas que me contou foi sobre a prisão do Ministro da Defesa Botelho Moniz em Abril, numa noite em que chegaram uns carros pretos, o tiraram da cama e o levaram. Nunca mais ela o vira até o final do mês de outubro. Eu já ouvira também sobre presos políticos, sobre a oposição do general Humberto Delgado, e já sabia que a maioria da população já não aprovava o Salazar. A população tinha medo da sua polícia, a PIDE. Eu continuei expondo as minhas opiniões de forma cautelosa.

Por outro lado, eram já bastantes e muitos os sinais de desobediência a Salazar. Uma delas, durante a segunda guerra mundial, foi a realizada por Aristides de Souza Mendes, descendente de judeus - como 40% da população portuguesa - ao conceder vistos desde Bordéus na França a judeus que fugiam de Hitler, contra as ordens expressas de Salazar. Posteriormente várias revoltas, a apreensão do Vera Cruz, a revolta de Beja e outras aconteceriam. Apesar disto, para o qual não tenho explicação, Salazar permitiu que milhares de judeus se refugiassem em Portugal vindos de outras partes da Europa, e não alterou os estatutos de igualdade entre judeus e portugueses. Demitido por Salazar, o ex-cônsul perdeu a pensão e morreu na miséria. Já o motivo da prisão do ministro da defesa teria sido uma tentativa de golpe de estado.

Nunca entendi como pôde Salazar invocar a aliança entre Portugal e Inglaterra contra a Índia, sabendo-se que a Inglaterra reconhecera a independência daquela nação e que estava reconhecendo a independência de suas ex-colônias. Estaria Salazar louco ainda mais com Haia e a ONU reconhecendo as razões da Índia?

Não era à toa que corriam piadas pejorativas pelas ruas de Lisboa sobre Craveiro Lopes e Américo Tomáz, os dois presidentes da república fantoches e sem opinião, colocados no poder por Salazar. Do primeiro, as piadas eram sobre sua esposa. O segundo era conhecido como o “banana”.  Para onde eu fosse, quer no Liceu, no voleibol do Sporting onde joguei, na marinharia, em família, entre amigos, pelas ruas, o povo não gostava de Salazar. A PIDE não escutava nada disso porque tinha outras “particularidades” para resolver. A  FNAT – Fundação Nacional da Alegria no Trabalho – Era conhecida e reconhecida em todos os meios, como Fanantes Nacionais Agarrados ao Tacho. Para brasileiros, Fanantes é sinônimo de ladrões e Tacho é a velha “panela” de amiguinhos. Quem não agüentava ou suportava, e podia, emigrava.

Quando a 19 de dezembro de 1961 as tropas portuguesas saíram às pressas de Goa, Damão e Diu sob fogo da artilharia e da aviação da Índia, estava claro que a paciência de Gandhi se tinha esgotado e que a falácia de Salazar era ridícula. Isso estava claro até mesmo entre a tropa, e nós, povo, nos admirávamos da paciência de Gandhi. Fosse outro e já não estaríamos lá há muito tempo. O tempo do colonialismo estava chegando ao fim. Salazar continuava como sempre fora: vesgo de cérebro. Fiquei feliz por as tropas portuguesas não terem desperdiçado mais vidas numa guerra estúpida. 

Com 42% dos votos, em 2007 Salazar foi eleito – não sei como foi feita a votação nem de sua credibilidade – como a personalidade mais proeminente dos “Grandes portugueses”, através de enquête pela RTP – Radio Televisão Portuguesa, fundada por Salazar. Um dos mais votados foi exatamente o ex-cônsul em Bordéus que Salazar demitiu. Aqui de longe, eu afirmo que há muitos salazaristas ainda na RTP e que os resultados foram manobrados. De outra forma, eu que já acho que Salazar tinha seus laivos de loucura, me perguntaria: -O que querem os meus conterrâneos? Outra ditadura, desta vez remando contra os ventos da União Européia? Mas ainda acho que a história da cadeira, embora verídica em todas as versões, incluindo aquela em que não se tratava de uma cadeira, mas de uma banheira, não está completamente contada.

Para não se repetirem erros, Açores e Madeira deveriam fazer parte de uma Confederação portuguesa a exemplo da constituição da Suíça, em absoluta igualdade de condições com as demais províncias, nem mais nem menos.

 

Rui Rodrigues

Sobre democracia participativa, ver http://conscienciademocrata.no.comunidades.net/

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    1






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: