DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...

O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...

O “deus tutelar”

(e seus efeitos sociais nos povos e no relacionamento entre nações)

 

 

Hominídeos e “Homo”, na escala de evolução humana, sempre foram seres sociais. Não se sentem bem vivendo isolados de suas sociedades que acabaram por construir com base em hábitos passados de geração em geração, identificação visual genética, sentimos de proteção coletiva, dentre outros fatores. Flores encontradas em túmulos pré-históricos dão-nos uma leve noção de que em algum momento, por essa época, se acreditava numa vida pelo menos “diferente” no pós-morte, senão, porque razões enterrariam o morto com flores? Tumbas posteriores já possuíam, além de flores, objetos de uso quotidiano do falecido. Quando mais tarde se fez definitiva a noção de um Deus senão criador, pelo menos protetor, surgiram religiões por todo o planeta habitado. As primeiras noções de divindade eram proporcionais ao desenvolvimento mental de nossos ancestrais, e por não entenderem ainda pelo menos razoavelmente o mundo em que viviam, eles imaginaram um panteão de deuses, um para cada “preocupação” que tinham, e surgiram os deuses da guerra, da saúde, das colheitas, da caça, e outros.

 

É natural pensar-se que deuses protetores de feridos e doentes não tivessem tanta força como os que, por exemplo, cuidavam da agricultura ou da guerra. Os deuses que aparentemente provocavam mais estragos eram os deuses da guerra, num período histórico em que as lutas pela posse das terras era fundamental para que sociedades de indivíduos pudessem ter mais território e portanto comportar maior numero de indivíduos. Estas lutas eram terríveis, com alto numero de baixas e podiam aniquilar civilizações. Por isso mesmo, o deus tutelar, isto é, o deus que presidia o panteão de deuses era sempre um deus guerreiro, dono e guia dos exércitos [1].  Havia um orgulho de cada nação em seu deus tutelar, e nem por sombras esse deus era dividido entre elas. Cada uma tinha o seu, o que julgavam mais forte, mais poderoso, o céu era o limite, mas o conhecimento do céu (universo) era limitado. Assim como havia guerras no planeta, julgavam haver guerras também nos céus. Seus deuses tutelares justificavam e apoiavam as atitudes terrenas de seus líderes, mesmo que contra a vontade popular. Era como se os deuses fossem imaginados não como entidades próprias, mas como “fetiches” – sempre à disposição - para atender as necessidades humanas de cada povo, ou melhor, de seus líderes[2].

 

As lutas por territórios no sentido de angariar mais espaço para crescimento populacional, parece ter terminado em 1945 quando Hitler foi derrotado, mas de certa forma continuamos a conquistar “territórios”, agora com características comerciais.  A luta é a mesma, mata igualmente por seus efeitos indiretos, mas tem uma aparência mais “humana”, seja o que for que o termo humano queira significar, porque na medida em que a economia de qualquer país diminui sua eficiência, aumenta o numero de pobres, os serviços sociais perdem a eficiência, doenças tornam-se mais poderosas e se disseminam mais rapidamente, muita gente morre em conseqüência sem sequer fazer parte dos noticiários dos jornais. São mortes surdas. Para sobreviverem internamente às nações como governo, e, portanto com as regalias inerentes, os que governam costumam mentir e esquivar-se de perguntas inconvenientes.

 Deusa Abutre - egípcia - notar semelhança da arca

Deuses tutelares eram eminentemente deuses guerreiros. Não seria de admirar se a “belicosidade” dos deuses estivesse intimamente ligada à necessidade de transmitir genes à descendência. A expulsão de judeus de suas terras de Judá para a Babilônia por Nabucodonosor II é um indicador desta tese: expulsou para suas terras o povo judeu que se misturaria com sua gente, misturando suas características de gente inventiva trabalhadora e produtiva, às de seu próprio povo, embora, duvido, tivesse consciência disso. De qualquer forma, não se costuma chamar os inimigos para dentro de suas próprias fronteiras se isso não for interessante. O entrave maior foi a religião. O povo judeu tinha um deus tutelar em mutação: Seu panteão de deuses estava sendo eliminado e apenas o deus tutelar, Yawé, acabaria por prevalecer, quando o profeta Jeremias exortou o povo judeu à união. O Talmude data desses tempos. Porém, há um detalhe muito importante em termos de deuses tutelares: Yawé ou Jeová é o único que em vez de apoiar sempre o seu povo, o castiga toda vez que erra, para que aprenda. A partir do cativeiro da Babilônia, o povo judeu passou a conviver com um “deus sozinho”, ou seja, o monoteísmo centrado em Yawé[3].

 Idealização da Arca da Aliança

Deuses tutelares sobreviviam enquanto em terra seus adoradores obtivessem vitórias militares. Perdidas as batalhas finais, os deuses eram abandonados, jazendo no pó. Não admira, pois que, numa humanidade devastada por guerras de conquista e ocupação, Iawé surgisse como um deus a ser copiado: Um deus que punia seu próprio povo e o incitava a não errar, a percorrer caminho ético, moral, voltado para a paz, porém sempre preparado para a guerra de defesa, e surgiram duas religiões a partir desta de culto a Iawé: A cristã e a maometana, adaptadas cada uma à idiossincrasia dos povos que as adotaram. Mais tarde, Martinho Lutero em meio a uma nação de princípios morais mais consolidados na época, a Alemanha do Sacro Império Romano Germânico, criou a primeira dissidência no cristianismo, coisa que não se viu até hoje nos paises muçulmanos, e criou o protestantismo. A partir de Iawé, a árvore genealógica das religiões, abre seus ramos, fruto de um deus não bem definido, ou não bem entendido. Certamente não bem entendido, porque sendo Deus a fonte, não deveria ter sabores diferentes de acordo com quem o prove. E desta falta de entendimento, muitas guerras e muitos seres humanos foram mortos no interior de fronteiras por seus semelhantes, no exterior em guerras que apenas e somente os fatores econômicos e territoriais de sobrevivência poderiam justificar. Em vez disso, usaram a “infidelidade” religiosa para justificá-las. A falta de instrução, educação e conhecimento dos povos, foi pasto destas distorções de motivação por parte dos poderosos que governavam as nações, todos eles sob influência religiosa.

 

Governantes, aqueles que usurpam o poder ou os que elegemos para nos “representarem”, precisam de desculpas para seus erros, e de motivos para a consecução de suas idealizações. A religião é uma fonte quase inesgotável para estes efeitos, porque congrega populações e as pode manobrar para o lado que mais interesse no momento político ou econômico. Nos tempos de hoje, as batalhas no terreno já não necessitam de um deus “tutelar”, nem se grita em campo de batalha, porque o confronto físico de exércitos diminui não só pelo tipo de armas desenvolvidas, como também por efeitos psicológicos: As armas matam a maior distância, corpos mortos enterrados em cerimônias fúnebres desmotivam a população. Os deuses já não são guerreiros, e essa função é exercida pelos que elegemos para nos representar, este um erro que será corrigido a futuro, porque com deuses tutelares ou sem deuses tutelares, as guerras inconvenientes continuam pelo mundo afora, algumas e muitas fratricidas mesmo que todos tenham a mesma religião, e nisto se incluem as guerras por verbas dentro de um mesmo estado dividido em pequenos estados por questões de administração.

 

Após breve análise se pode constatar que os deuses se separam paulatinamente dos seus “representantes” no planeta, e o povo de seus “representantes” no governo. Há uma crise aparente de tutela que pode significar o rompimento com estilos de governar, das características dos eleitos à representação, e mesmo a representação pode ter seus dias contados com a participação da cidadania nos destinos do mundo.

 

Num mundo que evolui socialmente sempre em pequenos bolsões isolados de progresso social de acordo com a melhor ou menor performance de administração econômica, não há como desprezar o sentimento de que um mundo mais equânime, mais homogêneo, seria um mundo mais habitável, sustentável, canalizando as riquezas não para a guerra, mas para o progresso e o desenvolvimento em todos os campos da humanidade.

 

A humanidade terá encontrado o seu caminho para um deus único, ou, a exemplo de cada nação que tem o seu deus, cada individuo também pode ter o seu – ou não ter - de acordo com a sua própria forma de encarar o mundo?

 

É o que veremos em tempo relativamente curto, talvez dentro de algumas décadas.  O mundo está mudando para uma participação cidadã cada vez mais efetiva.

 

© Rui Rodrigues



[1] Ainda hoje, e, por exemplo, embora Espanha, Inglaterra e Portugal tenham o mesmo “deus” comum, para diferenciar no campo de batalha escolheram “santos” como padroeiros de suas forças armadas: Inglaterra e Portugal escolheram S. Jorge, a Espanha, São Tiago, ou Santiago. Nestas religiões, o panteão de deuses foi substituído por um Panteão de santos que priorizam em busca de milagres.

[2] Efeito agravado em épocas históricas de Teocracias que ainda hoje existem, como no Irã, em que o líder religioso é também o chefe máximo da nação. 

[3] Deve ter sido por esta época, quando o Talmude foi compilado, que se deve ter definido que não se fariam imagens de Iawé (D’Us), e que somente um deus seria adorado. 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: