DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

O dilema do eleitor na hora de votar.

O dilema do eleitor na hora de votar.

O voto sob vários aspectos

 

O dilema do eleitor na hora de votar.

Vivemos numa sociedade, em qualquer lugar do mundo, ainda no limiar da adolescência democrática. Até há cerca de 300 anos atrás quase todos os governos do mundo eram reinados e quem mandava era o rei que nomeava seus ministros, e não havia eleições. Se os governos não eram monárquicos, eram ditatoriais ou teocráticos. Não estamos habituados à democracia, ao poder do voto, e somos reféns de partidos políticos que nos empurram os candidatos que querem. Pior ainda, não se elege quem merece, mas quem faz a propaganda mais efetiva, quem se cerca da melhor equipe de marketing. Desconhecedor da vida do candidato, exceto por meia dúzia de atos públicos, vota-se no escuro, “rezando” ou torcendo para que o candidato, se eleito, cumpra com o que prometeu. Vemos horrorizados que ano após ano, não cumprem. Continuamos a reclamar as mesmas coisas. O sistema instituído preserva-se e a menos do voto, nunca mais nos perguntam nada durante todo o período de cada governo. Nosso voto dado não pode ser retirado, e esse é o maior problema: Nenhum eleito precisa fazer nada de útil, que seu emprego estará garantido. Somente se errar muito e de forma muito grave sofrerá um impeachment, que, por curiosidade, não parte do povo, mas da congregação de partidos políticos em que se transformaram as Câmaras de deputados e de senadores.

Colocando-nos na posição de eleitores em alguns países, podemos sentir o dilema de votar quando nos pedem – ou exigem – que votemos. Como veremos a seguir sob o ponto de vista do eleitor falando consigo mesmo na hora do voto.

 

Cuba

Não sei que democracia é esta que não posso escolher o presidente, nem o vice-presidente. Só nos permitem votar em deputados e delegados. Nossa vida é muito difícil, vivemos vigiados pelos delegados de bairro e pela polícia cubana. O “paredón” pode voltar a qualquer momento, podemos ser presos, perder o emprego, nossos familiares podem ser perseguidos. È assim desde a revolução em 1959. Um dia, quando o Fidel morrer, e o irmão dele, o Raúl, sair do governo, as coisas mudarão. Hoje é impossível fazer uma revolução. O estado é policial. Vou votar como me aconselharam a votar: Naqueles que demonstram ter mais acesso ao poder, porque assim terei mais chances de receber alguma vantagem ou não perder as que tenho. Se notarem algo contra o sistema na contagem de votos do meu bairro, sofremos intervenção para saberem quem está destoando do regime. Gostaria de emigrar, tentar a vida fora da ilha, mas não tenho dinheiro para a passagem. Até os alimentos são racionados e os salários são muito baixos. Não distribuem cupons de passagens aéreas. Se me pagassem a passagem poderia sair, mas não deixariam. Dizem que sou trabalhador “especializado”. Todos aqui querem ser “amigos” do partido para ganhar vantagens ou não perder as que têm. Se houvesse liberdade, há muito que o regime teria acabado.   

 

Brasil

Realmente estou em dúvida em quem votar. Esse negócio de partido político não funciona mais. Todos os candidatos – indicados pelos partidos – prometem tudo quando estão em campanha. Depois que assumem dão desculpas ou não se fala mais nisso. Quando tomamos consciência, passaram-se mais quatro anos. Já mudei de partido uma porção de vezes em toda a minha vida. Alguns até já acabaram, ou existem apenas para gastar dinheiro público – e não é pouco. Podiam limitar o numero de partidos a uns quatro – já que são todos iguais e já não há ideologias. Obrigam-nos a votar, o que é um absurdo e nada democrático. O comunismo acabou, praticamente, porque só há hoje dois países no mundo que ainda são comunistas. Para quê PcdoB. PCB e afins, se nunca vão ganhar eleições, e se mesmo eleito algum político desses partidos, não poderão governar de forma comunista? Não temos a mínima tendência para sermos comunistas. Ninguém quer dividir o que é seu de mão beijada. Nem as igrejas que recebem dízimos e esmolas dividem o que é delas. Andamos todos atrás de dinheiro, e cada um quer ter a sua casa própria, seu carro. Tudo o que os partidos fazem é fazer eleger candidatos que façam o que o partido quer para ganhar dinheiro. O dinheiro para as eleições vem das empresas. São as empresas que mandam nos partidos e estes nos políticos. E políticos e partidos não são essencialmente diferentes uns dos outros. Já vimos Collor de Melo que fazia discursos como se estivesse drogado, transtornado, roubar dinheiro de cada brasileiro expropriando-o das contas bancárias em ato insano; já vimos deputados, senadores e vereadores aumentarem os próprios salários sem contestação, porque a constituição o permite; já vimos baixarem atos constitucionais e medidas provisórias que alteram a constituição; políticos e partidos comprando votos no congresso e câmaras através de pagamentos com dinheiros públicos que deixaram de fluir para o benefício público. A impressão que tenho é que fazem o povo de escravo sem voz política e que no governo fazem o que querem. Políticos saem do governo muito mais ricos do que entraram, muito para lá dos próprios salários. Sinceramente, voto porque sou obrigado, porque político confiável, não encontro nenhum. Nenhum nos representa de fato. Mas entre mortos e feridos todos escapam. Depois do jogo vou tomar um chopinho, curtir uma praia, ver umas meninas, dançar um funk, ver um jogo de futebol e descolar uma grana para pagar o almoço. Pô... O Corinthians perdeu de novo... Tem que trocar o técnico.

 

Portugal

Quando acabaram os reis absolutistas e pseudoliberais – quem manda sempre manda, e o “ser liberal” é muito restrito - veio a república. O Estado passou a dividir o poder de forma diferente, entre maior numero de políticos. A partir daí pouco conhecemos de regimes democráticos. Sucederam-se ditadores, o maior dos quais foi Salazar, quase cinco décadas no poder. Depois veio o 25 de abril, mas como comunistas não sabem lidar com dinheiro, adotaram a mesma constituição da ditadura – porque queriam mandar como os ditadores – e deu tudo errado. Políticos e presidentes se digladiarem no poder, sucederam-se os escândalos e encomendaram com sucesso a morte de políticos. Finalmente, apareceu a oportunidade de entrarmos para a União Européia e todos os políticos ficaram de olho nas verbas da União para o desenvolvimento de Portugal. Dinheiro fácil que foi desperdiçado, mal empregado, ou recolhido de novo à União Européia por falta de projetos onde gastá-lo. Quando passou o deslumbramento, as verbas se esgotaram, por estes dias, e chegou a hora de pagar a conta, reparamos que a nação está quase falida, os antigos dirigentes vivendo à tripa forra no estrangeiro, cheios de mansões que jamais teriam se não fossem políticos. Já sabemos para onde foram as verbas, e continuamos com a mesma constituição. Não há partido político que não tenha o seu “senão”, e votemos no partido que votarmos, ou no político, corremos o risco – sempre - de sermos roubados, espoliadas, sempre um dos últimos paises da Europa em tudo. Não é sina, nem menos valia de nosso povo. É uma tradição secular de deixarmos que nos governem. Nem sei se vou votar, porque não vale a pena. Talvez vá para as ruas, talvez emigre para não ver a catástrofe – mais uma – de nossa nação. Um dia se disse – Portugal para os portugueses. Esse dia passou. Qualquer dia Portugal ficará entregue aos políticos para que votem neles mesmos. O povo todo terá emigrado, o que já se faz, em menores proporções, há pelo menos quinhentos anos. Só que desta vez, não mandaremos as poupanças para bancos portugueses, porque aqui só haverá políticos. Vou tratar do meu passaporte hoje. Pátria é onde me sinto bem, e não me estou a sentir nada bem por aqui. Os políticos querem que eu seja patriota mas eles não são. As Igrejas querem que eu seja bonzinho e dê esmolas mas elas são iguais aos políticos: arrecadam e não distribuem: deixam cair migalhas. Procurei um jornal sobre política, mas só encontrei jornais sobre futebol... Ora aqui está uma boa reportagem... Porque será que o Sporting nunca ganha títulos internacionais? Será que foi construído assim?  Mas vá lá... Se fosse do Belenenses ainda ia ficar mais triste. Vou jogar no totoloto para ver se ganho alguma coisa.

 

EUA

Temos dois partidos, e de vez em quando algum independente – sem muita chance - concorrendo às eleições: O partido democrata e o republicano. Para mim, não importa o partido, que se elege de acordo com o volume de dinheiro disponibilizado para se eleger. Quem cede esse dinheiro são as empresas deste país, e como os interesses das empresas são sempre os mesmos, não muda nada de essencial na vida desta grande nação americana. Porém, se for a industria bélica que tenha mais influência, teremos guerra. O problema é que neste ano, como em todos os outros, não sei se é a industria bélica que terá mais influencia por ter contribuído com mais verbas para as eleições. O que não quero é guerras para piorar a situação. Vou votar no político. Ou em Obama ou em Romney, e afora essa desgraça de guerra, também nada mudará de essencial. E mudar para quê? O problema é do mundo lá fora, principalmente da Europa que não aprende e nos devolve a crise que criamos aqui. Exportamos a crise para a Europa, mas ela veio de volta. Porém, como somos mais desenvolvidos, uma nação continental, temos mais condições de sair mais rapidamente da crise enquanto a Europa se afunda. Atualmente estou desempregado, mas as coisas vão melhorar. Somos uma grande nação. Se tudo der errado e eu morrer de fome, a culpa é minha que sou um incompetente para sobreviver. Nos próximos dias tenho que alternativamente arranjar um emprego, ir para debaixo do viaduto que até já escolhi qual deles, ou não sei. O que me amedronta é o “não sei”.  Acho que vou até o Brasil. Parece que lá ainda há grana sobrando. Não entendo como, porque roubam muito, mas tem.

 

Em outros paises

 

Não muda essencialmente nada de Cuba ao Brasil, dos EUA a Portugal. O caso mais dramaticamente hilário é o da República Democrática Popular da Coréia do Norte, que não tem nada de republica (é um reino com um ditador) de democrática (o povo nem respira mais forte porque pode ser confundido com capitalista que quer o ar todo para si) de Popular (porque a policia do estado controla tudo). Só o termo Coréia do Norte faz algum sentido.

 

Não conseguimos mudar nada de essencial no mundo. Os governos, constituídos de pessoas como nós sem mais nem menos virtudes, decidem tudo sem nos consultarem. Nem para decisões mais importantes que dependem da opinião pública. Porque votamos?  

Para uma democracia diferente, verdadeira, participativa, ver http://conscienciademocrata.no.comunidades.net/

 

Rui Rodrigues 

 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: