DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa

O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa

torreão


PORTUGAL – O FUTURO DESSA SOCIEDADE AMORFA

Quem viveu a vida toda no mesmo lugar, na mesma cidade, atendendo as preocupações diárias, limitando-se às notícias da mesma fonte, normalmente a mesma rede de TV, assistindo os mesmos programas, e não freqüentou universidade, não sabe, não pode saber como se move o mundo, o que faz o mundo, como se comporta, os motivos que levam sociedades, famílias, indivíduos, a tomar certas atitudes que á primeira vista nos parecem sem muita ou nenhuma lógica, e, se pelo contrário tais atitudes nos parecem louváveis e que gostaríamos de adotar, não sabemos como agir porque as condições e modos de vida dessas sociedades são diferentes das nossas.

Não há um só elemento de qualquer sociedade do mundo que saiba tudo. E os que mais sabem não se metem em política porque esta atenta contra a sociedade. Os que mais sabem não atentam contra ela. Mas é a política que pode mudar as condições de vida de uma sociedade, de um planeta. Ao olhar pelo mundo, minha referência, desta vez, é Portugal, apesar dos pesares.

Falar das sociedades portuguesas do passado e como se comportaram em termos de nação, quase não vale a pena, porque se estamos bem devemos continuar assim, e se estamos mal, o passado não importa. Importa o presente onde se deve mudar o que necessita ser mudado visando o futuro. Porém deve ser feita uma referência às famílias que sempre dominaram a política, o comércio e a indústria: Nunca fizeram alterações fundamentais na estrutura da nação porque sempre se sentiram satisfeitos. As mudanças sempre advieram das necessidades, e o povo raramente se move porque há uma cultura da conformação à espera do milagre, talvez uma herança católica pós-inquisição, mas com base nesta. O povo português tem medo dos “governos”, sussurra pelas ruas e em casa, embora após a ditadura de Salazar esteja mais afoito, porém indeciso e dividido. Explode suas raivas em conversas lançando impropérios contra os governos, mas fica apenas nisso. O povo português discute a política, mas não a faz, simplesmente vota nos candidatos que os partidos lhes apresentam. E são sempre os mesmos, anos a fio, o que lhes permite, aos candidatos, o acordo tácito do “agora eu, depois tu, aprova-me e deixa-me quieto que depois faço o mesmo”.

Com população que varia há cerca de 200 anos entre os 10 e os 11 milhões de pessoas, continua-se com acesso limitado às universidades. Somente uma pequena parte da juventude pode ter acesso ao ensino superior e quer tenha formação ou não, é obrigada a emigrar porque não se criam empregos suficientes, os salários são dos mais baixos da Europa. Fruto dessa inércia secular, não há um só motor de automóvel genuinamente português, não há praticamente nenhum bem que não seja importado, e se não o é, pagam-se divisas pelos direitos de fabricar. Máquinas fotográficas são reparadas em Espanha. Tudo fica difícil, tudo é difícil, o país está politicamente amarrado. Boa parte do capital depositado nos Bancos portugueses é referente contas de emigrantes que ganham no exterior o que seria impossível ganhar em sua pátria.

Portugal tem tido, sem exceção, governos traidores das ansiedades cidadãs.

Mas porque não se muda?

Principalmente por medo, advindo da ignorância. Saber ler e escrever não é sinônimo de ter conhecimento e discernimento, e alguns números indicam o nosso grau de educação, de tal ordem deficiente, que estar na Comunidade Européia somente serve para supri-la de mão de obra não qualificada e consumir os produtos do resto dos países membros. Além disso, há sempre alguém que tem um padrinho que a colocou num cargo público e não quer mudar para não o perder.

Sobre educação, e extraído do link abaixo indicado, estudos recentes demonstram que “35% da população detém o primeiro ciclo do ensino básico; 27,3%  têm um nível de instrução superior ao ensino obrigatório em Portugal, o 3º ciclo do ensino básico ou 9º ano de escolaridade. Com uma instrução média (bacharelato) e superior temos 11.3% da população, sendo que destes 44% são do sexo masculino e 56% do feminino. Contas feitas, em Portugal no século XXI a percentagem de indivíduos que não tem qualquer escolaridade é maior do que a dos indivíduos com um nível médio (bacharelato) ou superior. E, dentro destes últimos, a maioria é do sexo feminino”. 

Somos um país predominantemente ignorante, e isto não convém à cidadania. Convém aos que governam e é tão agradável – sabemos disso – pertencer ao governo, que partidos e políticos nele se mancomunam e se eternizam. Boa parte sai do governo bem mais rica do que quando nele entrou. Todos sabemos disto, mas não nos movemos, por conformados, orando nas igrejas, esperando D. Sebastião, a segunda vinda de Cristo, mais um milagre em Fátima, comovendo-nos com estátuas de virgens choronas. Não fazemos a dança indígena da chuva, mas rezamos para que chova.

Somos crentes do absurdo.

Mas onde está a amorfalidade de nossa sociedade? Parece lógico concluir que ainda acreditamos no “Senhor Doutor” candidato político, por falta de educação e por crença no absurdo, chegando a comemorar em grupos de amigos que “ele até me apertou a mão”, como prova de que vai cuidar dos interesses da comunidade; Os emigrantes não podem ter parte ativa na política a não ser votar nos mesmos partidos, nos mesmos políticos, porque a maior parte do ano estão fora das fronteiras; os protegidos do governo não querem mudar nada; Os ignorantes, conforme vimos são a maioria – acreditam em qualquer coisa que não saibam explicar e não sabem explicar absolutamente nada; com o advento da globalização as poucas empresas portuguesas preferem investir em países estrangeiros, deixando o país às traças, traçando o país, e isto é grave, porque já nem o povo interessa ao governo ou aos empresários portugueses;

Não temos ilusões de sermos uma Alemanha, um Rússia, EUA ou Canadá, mas se não conseguirmos educar o povo, mudar a mentalidade e a idiossincrasia nacional, não conseguiremos sequer ser uma Noruega, uma Islândia, uma Suíça, Finlândia, Suécia... E seria muito fácil. Um pouco demorado, mas fácil. Bastaria uma nova constituição votada item a item pela população e que não pudesse ser alterada sem votação popular do que se propõe ser mudado, como se faz em Democracias Participativas.

Não são os governos que fazem a nação: São as sociedades ainda que, e felizmente, amorfas, porque é da divergência que se faz a democracia.   

Rui Rodrigues

 

Referências:

 

Sobre educação http://www.marktest.com/wap/a/n/id~45c.aspx

Sobre Democracia Participativa ; http://conscienciademocrata.no.comunidades.net/

Sobre emigração : http://imigrantes.no.sapo.pt/page6Estatist.html

Ver as novas constituições da Suíça, da Islândia, e dos países nórdicos. 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    1






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: