DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

O que é emigrar - Portugueses

O que é emigrar - Portugueses

 Emigrantes - N. York
 
 
O que é emigrar[i] - Portugueses
(não é fácil falar sobre isto, ainda mais quando a verdade dói, mas precisa ser dita)
 
Na minha terra cultiva-se a vinha, e ainda que nos tempos de hoje algumas religiões insistam na proibição de vinho, lembro-me sempre de Adão, Abraão, Salomão, Jesus, cultivando a vinha. Bebo sem nunca ter apanhado uma bebedeira a ponto de ficar nu diante dos filhos. E para falar em emigração portuguesa tenho que abrir uma garrafa e começar a sorvê-la gole por gole. É um assunto difícil de abordar porque se trata na verdade de uma diáspora por pátria madrasta, bem diferente da judia. A nossa sempre foi evitável. A judia não. A nossa se deve a desinteresse pátrio. A judia, a perseguições por povos estrangeiros. Mas tenho que me sentir como judeu português, porque 40% da população tem sangue judeu e meus sobrenomes de família não o podem nem querem negar. Sou duplamente emigrado por duas razões distintas.
 
Mas antes de falar sobre a emigração, devo esclarecer um assunto que demonstra  até que ponto a ignorância e as paixões religiosas podem provocar as minhas lamentações que choro nas ruínas do muro do templo. De ascensão judia, minha avó paterna chamava-se Maria de Jesus Pinto Nogueira, meu pai Gabriel Rodrigues Monteiro, e minha mãe, Maria Adelaide Nogueira. Ao darem-me o nome de Rui Alberto, o normal pelas leis portuguesas seria chamar-me Rui Alberto Nogueira Monteiro, mas á revelia de minha mãe, chamaram-me de Rui Alberto  Rodrigues Monteiro porque as famílias em certo ponto da convivência passaram a não se suportar. Todas as divergências na aldeia de Fornelos costumam ficar nas alcovas e no silêncio sem ser levadas a praça pública. Ninguém sabe de nada, mas as coisas acontecem. Quando eu tinha dez anos, para entrar no Liceu precisei de uma certidão de nascimento. O nome que nela constava era ainda mais indecente: Rui Alberto Monteiro Rodrigues. Agora, por erro proposital e não por coincidência, passei a não ser nem filho de meu pai, nem de minha mãe, mas de uma mulher chamada Monteiro e de um homem chamado Rodrigues. Em minha terra bebe-se regularmente – é terra de vinhos - mas não de forma irresponsável. Curiosamente, das famílias judias mais perseguidas na inquisição foram os Rodrigues os que mais sofreram com perdas de terras, de bens, de religião, de vida queimada em fogueiras que diziam ser santas.
 
A emigração portuguesa
 
Nós portugueses gostamos muito de fazer sexo. Somos amantes do sexo, e emigrados, não fazemos distinção entre raças, e quer seja índia, negra ou amarela, tanto homens quanto mulheres nunca fizeram qualquer distinção. O rei Salomão também não. Uniu-se á rainha de Sabá dando origem a grande prole. No entanto, sempre mantivemos uma população no entorno dos 11 milhões de habitantes há já alguns séculos. Não somos de ter muitos filhos por casal, a vida sempre foi difícil, e o excesso sempre foi empurrado para fora por falta de interesse dos governos em criar condições de vida para os filhos da pátria. Emigramos desde o século XVI e ainda mais a partir do final do século XIX, quando os portugueses emigraram em levas e começaram a mandar para a metrópole as fortunas que adquiriam fora das fronteiras, impossíveis de ganhar dentro delas. Como hoje, ainda. Para quem precisava emigrar ficava sempre um sentimento: Seria o emigrante um falhado na vida, que contrariamente aos demais não conseguia  sobreviver em sua própria pátria? Seria um incapaz? Mas depois de breve analise de suas capacidades e de sua vida, ficava a certeza de que sim, era capaz. O problema é que não havia oportunidades para todos. Não eram criadas oportunidades para todos. Os governos já dispunham de bastantes fundos mandados para o tesouro nacional como reservas para uma vida futura em sua pátria, consumindo o que ganhara fora dela. Os governos usaram esses fundos, sempre, e financiaram guerras, e compraram ouro como lastro e emprestaram e beneficiaram empresas portuguesas com esses fundos. As empresas, com tamanha facilidade de fundos do governo nunca precisaram ser eficientes. Nos últimos anos Portugal se manteve com dinheiro de emigrantes e do turismo. Meu bom pai disse-me uma frase que se usa muito entre emigrantes no Brasil: “Pátria é onde a gente se sente bem”. Abraçou o Brasil sem esquecer Portugal, eu tentei mas não consegui. Abracei o Brasil, tenho Portugal como mãe madrasta, amo os portugueses e ainda mais as portuguesas, exclusos de culpa porque não sabem[1], não conhecem: 40% ainda são tecnicamente analfabetos porque só sabem escrever o nome quando muito. Poucos sabem de história, ciências gerais ou exatas e destas muito menos.
 
Meu pai aprendeu a arte da alfaiataria. Seu pai, meu avô, tentara a aventura no Brasil, onde se associou a donos de bares e perdeu dinheiro. Voltou com uma “pleurisia líquida” que lhe foi consumindo os pulmões e as propriedades. Fora enganado pelos sócios do Brasil, e depois pelos médicos que lhe prometeram cura ainda sem a descoberta da penicilina que o salvaria. Quando a penicilina chegou a Portugal, meu avô estava morto e os dois filhos homens menores de idade trabalhavam nas minas de volfrâmio que era exportado para a Alemanha de Hitler. Essa exportação de volfrâmio rende a Portugal, ainda hoje, uma posição menos privilegiada entre os aliados ocidentais. Esse minério destinado à fabricação de tanques Panzer matou muitos dos que nos davam a mão. Outras políticas de aproximação com os aliados aliviaram essa situação, mas não anularam a impressão histórica de que “jogamos com um pau de dois bicos”, como medida esperta de quem não pode ser inteligente nem sensível. Nosso governo da oportunidade não foi inteligente por apostar no lado errado, e não foi sensível, porque Hitler era um predador de judeus, um apologista da predominância de raças, e portugueses não são da raça alemã.
 
Entre um copo e outro, durante um almoço, sentados no sofá, falando em particular com meu tio Ângelo, meu pai contava triste:
 
- Imagina que um dia pensei em montar uma alfaiataria e precisava comprar algumas coisas, dentre elas uma tesoura de alfaiate e um ferro de passar, daqueles a carvão. Falei com pessoas da família e amigos, mas não vais acreditar: Ninguém me emprestou dinheiro, uma porcaria, uma ninharia, para me ajudar.  Isso deu-me tanta tristeza que resolvi emigrar. O tio, irmão da tua avó, minha mãe, mandou-me uma “carta de chamada” do Brasil, e arrumou-me um quarto para passar uns dias. Em dois meses já tinha o meu apartamento que depois comprei. Em dois anos montei a minha loja, a “Alfaiataria Motta” e chamei o teu tio Ângelo para ser sócio. A família é muito importante na vida da gente, nossos reais e únicos amigos com quem se pode contar. E mesmo assim, tens que abrir o olho, meu filho.
 
Sábio pai, sábio tio que aprenderam de meus avós paternos a educação que lhes deram.  Gente que sobrevive, e vive, sem favores de ninguém, quando por vezes até um abraço ajuda. Ajudaram muita gente porque souberam o que era não terem ajuda.
 
Não enganaram brasileiros para ficarem bem de vida. Não fumaram, não beberam em demasia, só compraram carro por volta dos cinqüenta anos de idade, não andaram em círculos sociais para gastar e mostrar que tinham dinheiro, sem se escusarem de uma ou outra sem criar hábitos, economizaram e reaplicaram o dinheiro, e ao fim de um par de décadas, tinham sete lojas. O caixa era o bolso de tantos fregueses, e o dinheiro ia para o Banco no Brasil e para a Caixa Geral de Depósitos em Portugal. Trabalho honesto, gente honesta, bons frutos. Dos filhos não seguiu carreira universitária quem não quis. O mundo mudou e ninguém passa fome.
 
Outros portugueses chegaram ao Brasil. Muitos. Milhares. Centenas de milhar desde o final do século XIX até este século XXI portugueses são obrigados a emigrar por falta de “oportunidades”. Emigram em diáspora para todos os países do mundo. Uns dormiram em alcovas, amassaram o pão que o diabo amassou, e todos, de uma forma ou outra, se integraram à sociedade brasileira, à sociedade americana, à sociedade alemã, francesa, inglesa, do Liechtenstein, do Canadá, México, Venezuela, Andorra... São reconhecidos como trabalhadores e empreendedores honestos. Somos um dos países que mais mão de obra oferece ao mundo desenvolvido.  Nossos governos em Portugal teimam em não desenvolver o aprendizado, a educação, a técnica. Autênticos portugueses emigrantes quando voltam a Portugal, com dinheiro, fugindo de crises em países para onde emigraram e que mudaram a sua política como foi o caso da Venezuela, são chamados pejorativamente como “retornados” ou portugueses de “segunda categoria”. Portugueses emigrados não precisam da pátria madrasta e, muito menos, aqueles cujos filhos hoje participam de governos na França e em outros países. O que os move de volta à Pátria é a ilusão da saudade, do lugar onde nasceram, e cada vez mais se depositam os lucros em país para onde se emigrou e menos se manda para a metrópole. Ser amigo, governar, não é tapa nas costas, sorriso de crocodilo, palavras nada mais que palavras que, ditas a quem viajou, sofreu e vingou, não passam de palavras por mais que a ignorância lhes diga que convencem.
 
Os ventos da história que Salazar não deixava entrar em Portugal, enfunando velas de palavreado pueril e ignóbil de ditador (com aquela voz fina de fraco vingador de bullyng infantil) chegaram muito antes ao Brasil. Ouvi os ventos da história e compreendi meu pai e a minha pátria. Em dois anos meu linguajar era carioca, de acadêmico, formado já com “trinta anos de praia” no Rio, embora só tivesse 19.
 
Portugal é aquela minha pátria mãe que se casou com políticos corruptos dos quais não se vê livre, e da qual só preciso para matar saudades, seja em que lugar for, de norte a sul. Em particular minha terra e alguns amigos de infância que ficaram. Outros emigraram e não ouvi mais falar deles. Não os culpo por não se fazerem presentes.
 
Mas preciso entender se é a pátria madrasta ou a raça. Quando descobrir, decidirei se ainda tenho saudades. Vi no Brasil como na comunidade judia se ajudam uns aos outros e na qual tenho bastantes amigos. Chega a parecer que são eles os “cristãos”. Um deles foi meu padrinho de casamento. Alguns portugueses também. Mas nem todos. É necessária a união do povo português em torno dos interesses comuns. Hoje, com a crise de 2008, os filhos são novamente obrigados a emigrar porque, por comodismo e ilusórios benefícios próprios, deixamos que os governos se sucedam sucessivamente sem cessar, sem mudar o que é fundamental: Dar condições ao povo para sobreviver e viver em paz e com conforto. Se não fosse para isso, porque razão precisaríamos de governo? Bastaria uma central de polícia e um código de leis.
 
Rui Rodrigues
 
PS – Para novo tipo de governo, que não explore o povo português, consultarhttp://conscienciademocrata.no.comunidades.net/
 
   




[1] A NET é pródiga em informação sobre índices sobre tudo, incluindo corrupção, com o devido desconto por falsificação ou “acomodação” de dados pelo poder público. Digite o assunto, a palavra “índice” e terá todos.
  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    1






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: