DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

O Socialismo do século XXI – Nu e cru.

O Socialismo do século XXI – Nu e cru.

O Socialismo do século XXI – Nu e cru.

Povo estratificado

Poder.

Igualdade dos seres humanos.

 

Junte estes ingredientes e os diferentes graus de interesses particulares, e poderá inferir uma infinidade de teorias políticas para cada país, métodos para conseguir os objetivos e internacionalização de processos. O fator determinante principal para o sucesso ou insucesso de uma nação ou sistema político é: Quem manda?

 

Então temos que pensar em outros fatores a que podemos chamar de secundários, mas que influem fortemente na conduta e no processo de “governar”:A religiosidade, a industrialização, as propriedades produtoras de alimentos, o capital, as forças armadas, os serviços públicos, o desenvolvimento autossustentável. 

 

Ao longo dos séculos e já lá se vão cerca de 1.200 séculos desde a primeira civilização humana, que temos assistido a lutas pelo poder, movidas pelos mais variados motivos, motivos que interessavam para explicar essas lutas, mas jamais por motivos abrangentes, concludentes, com visão global, que pudessem demonstrar que o interesse principal era o bem estar geral de TODA a população do país, das nações aliadas, do planeta, de forma sustentável. Todas essas guerras foram geradas por motivação parcial. E em nenhuma delas se perguntou aos cidadãos: Querem esta guerra? Sim ou não? Então, falar de democracia pode continuar sendo fácil, mas explicar que tenha ou haja democracia nessas nações do passado ou nas atuais, fica difícil de explicar. Nem voto dado em confiança se pode retirar quando o eleito perde nossa confiança. Para dar uma explicação “aceitável” como cortina que esconde o que vai por detrás, estabeleceu-se, na democracia da Grécia antiga, há mais de 3.500 anos, que a “representatividade” seria um modo democrático de governar. Os cidadãos elegem seus representantes, estes resolvem tudo o que querem e podem – em nome do povo - durante certo período no qual detêm o cargo. Se não cumprirem sua função a contento, não voltam a ser eleitos, mas o mal estará feito, difícil de ser reparado, muitas das leis que aprovaram em sua ineficiência, continuarão vigentes. 

 

 Então, e em oposição aos “cidadãos”, apareceu a definição de proletariado, juntando os trabalhadores do campo e da indústria porque agora tinham relevância por sua quantidade, logo após o inicio da industrialização promovida pelos teares ingleses. Apareceram novos nomes para qualificar o tipo de cidadãos, como “operariado”. Era o socialismo. O socialismo se colocava no caminho entre os “cidadãos” e o “proletariado”. Os cidadãos tinham dinheiro, contratavam os proletários. Mas a luta de classes sempre foi pelo “capital” [i]. Na classe média estavam incluídos os empreendedores, os que tinham maior volume de capital. 

 

Friederich Engels, George Hegel, Karl Marx, Lenin, Adolf Hitler, Antônio Gramsci, Saul Alinsky, todos eles foram ou socialistas ou comunistas. Não deixa de ser interessante a separação entre comunismo e socialismo, que pregam basicamente a mesma filosofia de ingredientes básicos, mas que chegaram a se odiar no passado. O próprio nazismo, nascido socialista e democrático, pode iluminar o nosso entendimento das sutilezas que as definições de sistemas de governo escondem em suas denominações, o que divide ainda mais a sociedade: Os filósofos entendem perfeitamente todas as sutilezas, o povo, o proletariado privado de educação só entende quando lhe falta o pão, a casa, a roupa, a água, a eletricidade, e somente se junta numa revolução quando lhe falta o pão. Não entende filosofias. Quem assume os governos não lhes proporciona educação. É um ciclo vicioso. 

 

Friederich Engels, Georg Hegel, Karl Marx, Lenin, Adolf Hitler, Antônio Gramsci, Saul Alinsky, todos eles discutiram fundamentalmente três dos quatro assuntos fundamentais do socialismo: Como entendem a igualdade social, como chegar ao poder, como se manterem no poder. O quarto, que é como manter a produção e competir no mercado internacional, sempre foi algo a discutir posteriormente, porque o sistema se resolveria por si mesmo. 

         

As designações dos líderes sempre foram importantes para dar a impressão de que algo mudou, como uma marca registrada. Na prática, que diferença existe entre um Rei, um Czar, um Imperador, um Presidente da república, um chefe do Politburo, se há sempre poder definido, povo estratificado pela quantidade de bens que possui (capital ou favores), as forças armadas, os servidores públicos, os trabalhadores do campo, os que trabalham na indústria? Os nomes mudam de regime para regime, mas basicamente nada muda. Quem manda é o governo. Quando o povo não aprecia sua forma de governar vai para as ruas. Os poderosos em qualquer sistema político mandam então avançar a polícia armada, as forças armadas. Não defendem o povo, mas o regime. O processo para se manter no poder é a “política” que, em qualquer sistema, inclui o uso de mentiras, de desvios de atenção para o fundamental, a distribuição de favores, a compra de votos [ii]. Sem isto os erros aparecem, os cidadãos e o proletariado se revolta [iii].

                     

Socialismo é um sonho da humanidade, tal como a busca do Eldorado, a do Paraíso no mundo sonhado pós-morte e por todas as religiões. Religiões e socialistas deveriam dar-se muito bem, já que os objetivos são a felicidade terrena, a igualdade, e tantas outras qualidades de vida, e na própria religião católica, se incitam a “largar os bens e seguir a Jesus”, mas paradoxalmente não se têm entendido ao longo dos séculos. Podemos encontrar resposta imediata: Se o que existe de comum entre o socialismo e as religiões é a detenção do poder, então jamais se entenderão, e no dia em que se entenderem, nas décadas seguintes uma delas será aniquilada pela outra.Qualquer associação entre partidos e filosofias, acaba sempre numa operação de diminuição até restar um só, como nas sociedades capitalistas. O ser humano é altamente competitivo. 

 

Se por um só momento aceitarmos raciocinar sobre “poder”, talvez tenhamos uma fortíssima decepção, já alertada num parágrafo acima, quando se disse que não há diferenças fundamentais entre reinados, impérios, repúblicas, teocracias, ditaduras. E qualquer uma destas pode ser capitalista, comunista, socialista. Recentemente fala-se muito em “nova ordem mundial”, começa a falar-se na Democracia Participativa. Com a queda até então imprevisível do comunismo, quando caiu o muro de Berlim que dividia a Alemanha Ocidental da República “Democrática” da Alemanha, fez-se um vácuo na luta de classes: Os cidadãos englobando a classe média, e o proletariado. Estes últimos se viram desprotegidos, e hoje na Europa ainda há uma crise financeira que afeta a ambos. Numa Europa unida pela Comunidade Europeia, voltaram os tempos da emigração. Uma aparente reversão da ordem está promovendo a troca da posse de bens, a classe média está sendo comprimida, cresce em quantidade o proletariado desempregado. A União Europeia é basicamente – ou se diz – socialista, no entanto, a luta continua sendo pelo capital, pela posse de bens. 



No entanto há ilhas de "socialismo" - é o que eles dizem ser - eficiente ao norte da Europa, e na Suíça fruto da Democracia Participativa. Por lá, os cidadãos votaram através das redes sociais os itens de sua própria e nova constituição, longe da influência dos interesses do empresariado, de religiosos, de servidores públicos, de políticos “representantes” não sabia de quem, mas não dos cidadãos até então. Lá, cidadãos e proletários têm quase o mesmo salário, porque investimentos incluem o risco de aplicar capital. E sem margem de lucro não há investimentos, o país decai, os proletários vão para as ruas.  

Nem vamos falar de Brasil, Venezuela, Cuba, Argentina, Bolívia. Nestes países emergiram lideres que não têm instrução, que acham que o dinheiro dos impostos pode ser distribuído sem que aja planejamento para a revitalização de tudo o que esses países acumularam de bens e da capacidade de gerar recursos. Quando o dinheiro de impostos começar a diminuir sensivelmente, quer por falência dos sistemas sociais e produtivos, o que inclui a falência dos ministérios e do próprio governo, então esses líderes cairão: Faltará pão. Fidel Castro nunca se preocupou com o seu sistema produtivo, porque isso criaria uma classe poderosa: A dos investidores, os capitalistas. Cuba viveu assim da bondade da comunidade internacional. Recebeu ajuda da China, da URSS, e agora do Brasil. Temendo o aumento de influências, Os EUA tentam reatar com Cuba, levantar o cerco comercial à ilha, que se vê obrigada a exportar trabalho escravo. Fidel não resolveu o problema de seu povo, mas resolveu – tal como todos os outros lideres sob qualquer regime em qualquer país do mundo – sua permanência no poder com o uso dos manuais de Gramsci, primeiro, e com os de Alinsky numa segunda fase. Quando Fidel falecer, se seu irmão não tiver o mesmo carisma Cuba ficará livre numa explosão social. Que não seja sangrenta.

Na verdade, na verdade, a grande vitória do capitalismo é que já encampou e engoliu o socialismo e o comunismo. Líderes precisam de poder e dinheiro. O poder obtêm com frases de impacto filosófico. O capital apanham com os banqueiros e a classe média. E chegamos a um ponto tal na política de tornar todos iguais através da lavagem cerebral, que teremos de dizer em nossas casas ( tal como o povo judeu adorava Jeová às escondidas no sótão de suas casas durante a perseguição aos judeus) que minha neta é uma menina, e meu neto um menino... O patrulhamento ideológico do socialismo voltou a provocar perturbações modernas: Querem que homens e mulheres sejam iguais. perante a lei. Claro que sim. Morfologicamente é uma luta insana, demente, e como tal, os princípios desta atitude são irrepreensíveis. Eles têm razão nos motivos, mas vão muito longe, como sempre. Os uniformes chineses que igualavam líderes e proletariado, foram substituidos pela "igualdade social de alfarrábios". Cigarro proibido, drogas liberadas.  O velho livro de Mao Tse Tung - o vermelho - em ação agora com texto alinskyano.  


Quem manda é o capital. 

 

® Rui Rodrigues

 

 

 

 

 


 

[i] Capital é um bem e pode ser um favor, uma propina, um cupom, dinheiro vivo, uma propriedade, um passe de transporte público, etc... E agora, a “felicidade” como na Venezuela chavista.  Muita gente encontra a felicidade se tiver acesso a drogas. Felicidade, portanto, é um fator subjetivo. Perguntar a alguém se é feliz, é um engodo, porque ninguém quer dar parte de fraco. Em regimes totalitários, uma resposta negativa a esta pergunta pode redundar na perda de “capital”, ou seja, um bem, um favor... 

[ii] No Brasil, Dilma Rousseff disse que para manter o partido do PT no governo, faria “o diabo”. Ela já foi terrorista, incluindo assaltos a Bancos, guerrilha, sequestros relâmpagos.

[iii] Em qualquer sistema existe esta separação. Cidadãos contratam o proletariado para a execução de serviços. Alguns dos cidadãos são donos de empresas que fornecem bens, serviços, geram o capital que paga a cidadãos e proletários. 

 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: