DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Os quatro cavaleiros do Petecalipse.

Os quatro cavaleiros do Petecalipse.

Os quatro cavaleiros do Petecalipse.

 

 Cronos o rei apedeuta comendo os próprios filhos

O profeta vive só à beira de uma praia onde se alimenta do que consegue pescar.

 

É um pescador. Há muitos pescadores neste mundo, e não só de peixe. Os que não pescam peixes, não usam redes.Usam a palavra como uma rede que pesca ilusões, ambições, esperanças que povoam a mente humana desesperada com tantas provações, e nela ficam enredados, digerindo a palavra, enquanto os profetas se vão para outros lugares, pescar mais, cada vez mais, numa ânsia antropofágica de evangelizar ideais, virtualidades, seres que esqueçam a realidade e se dediquem ao virtual.

 

Este profeta não. É um observador que só usa a sua rede para pescar peixes. Olha os rios, os lagos, as montanhas, os mares, os céus e os seres que neles habitam. É com os seres que se preocupa, mas sabe que em sua terra os profetas não fazem milagres. Longe de drogas, mesmo assim tem visões. E é uma delas que impressiona.

 

 

A visão nas palavras do profeta.

 

Era um pôr do sol da cor do fogo. As nuvens estavam coloridas de tons rosa, os mais suaves, de tons laranja, do vermelho mais vivo e antes que a Terra completasse a sua volta escondendo o Sol, as nuvens se escureceram, o céu se tingiu de tons escuros e o mar se encapelou, revoltado. Ouvi um estrondo atrás de mim e voltei-me em sua direção.

 

Vi uma enorme estrela vermelha do tamanho do Sol, com um enorme 13 milhões 13000 e 13 gravado a fogo no centro, sobre os campos longínquos, já no lusco-fusco do declinar da luz. Embaixo, no solo, um exército de bandeiras verdes e amarelas jazia no chão, inerte, prostrado, derrotado, tanques queimados, aviões abatidos, uma sucata de brava gente. Emoldurado pela estrela, uma figura aterradora com carnes aparentes de defecações humanas, escorrediças, pestilentas, os olhos esbugalhados, ávidos, barriga enorme, que tal como Cronos, filho de urano, o Céu, e de Gaia, a Terra, comia os próprios filhos. Este cavaleiro não comia os próprios filhos, mas comia os amigos, os colaboradores, guindados por ele ao poder sobre as gentes trabalhadoras, produtivas. Quando o vi, imponente, convencido, vociferando discursos, senti que, embora o mundo não lhe pertencesse, o tomava para si por puro prazer de ter o mundo. E queria o céu e queria a Terra, e nada o impedia em seu caminho.  A cabeça era de defecações, o corpo de vísceras de amigos e colaboradores, carne moída, os pés de algodão.Vi-o acompanhado de mais três cavaleiros tão Petecalipses quanto ele mesmo, destruidores de tudo o que se construíra. E era este o primeiro dos quatro. Trazia na mão os símbolos que apoiava: Um ramo de papoulas sem pétalas, com os bulbos lavrados escorrendo seiva, moedas de ouro que tirava de um baú sem fim que carregava a tiracolo, onde se lia: “Tesouro Nacional”

 

E vi o segundo à sua direita, minha esquerda. Não era um cavaleiro. Era uma cavaleira que não tinha nenhum traço de algum dia ter dado um sorriso, odiando tudo, a vida, olhar autoritário desde nascença, sem amor a pai ou mãe, largada na vida, assim como a humana e paradisíaca Lilith, casada com Samael o anjo decaído, também esta não aceitava os homens como eram e os odiava, e odiava ainda mais as mulheres que os outros homens preferiam a ela. Tal como o primeiro cavaleiro esta segunda odiava a humanidade da terra onde nascera. Odiava quem produzia, porque ela não podia produzir, não podia governar: O que a movia era apenas a vontade de destruir, de perverter, de substituir a ordem que encontrou quando viu este mundo, pela desordem de sua mente sem sentido. Esta não procura riquezas, embora não as desperdice. Sua mente está voltada apenas para a desordem e tal como o primeiro cavaleiro mata para limpar o caminho, não faz amigos fora do caos. Trazia nas mãos uma clava cheia de espinhos de aço, seus pés enormes também de barro, o corpo redondo prenhe de vontades, a cabeça era uma enorme bola oca, os dentes terríveis e cortantes, os olhos flamejantes de ódio.  Numa das mãos uma bandeira verde e amarela com cores vermelhas, uma afronta ao reino.

 

E vi surgir o terceiro cavaleiro, este de mãos redondas e sem calos, o mentor do caos, aquele que sabe e indica o caminho para o caos. Tal como o segundo cavaleiro, odiava tudo e todos, uma infância preocupada com a destruição em seu reino, renegando os outros pequenos deuses e quem o pariu. Seu corpo era como o de uma rã, escorregadia e verde, o sorriso de hiena, o olhar matreiro e dissimulado como o de um hobbit, o torso curvado, figura encolhida, um rato com sorriso de hiena. Numa das mãos, uma pasta enorme de onde saiam papéis, anotações, assinaturas, contratos. Fazia contratos com almas alheias prometendo-lhes o céu e lhes dava o inferno, o opróbrio, o esquecimento, a prisão.  Seu rastro era de desperdícios, de projetos caóticos, também nunca trabalhou no seu reino. Nenhum desses três cavaleiros havia alguma vez trabalhado produtivamente em seu reino. E nem o quarto, a mão que fere, que mata, brandindo um facão do reino do nordeste, em longo braço de apoio aos três primeiros cavaleiros. Este um cavaleiro genuíno.

 

E lá estava ele, montado em seu cavalo negro como a noite, estropiando, levantando as patas da frente, ameaçadoras. Dava urros, ávido de sangue, tão amante do caos como os três primeiros e também nunca tinha trabalhado em seu reino. Vinham para mandar na Terra, poluir o continente, abraçar o mundo inteiro se possível. Este cavaleiro era o mais misterioso dos três, e em seu reino não se sabia que amizade o unira aos três primeiros. Uma figura sombria. Tenebrosa. Um matador. Trazia as mãos sujas de sangue, o cavalo coberto de membros decepados como se deles fosse feito.

 

Não havia nos arredores nada que se lhes opusesse. De todos os caídos a seus pés, nenhum deixara de ser enganado. Uns jaziam porque acreditaram em suas promessas e depois pereceram traídos; outros porque ficaram inertes e nada fizeram contra o seu avanço; outros ainda se lhe opuseram mas não passavam de meia dúzia. Os que ainda viviam e lhes faziam companhia, como grande exército, usavam drogas para se inebriar, outros contavam dinheiros, outros ainda tinham fé no que diziam. Trazia na mão um coração vertendo sangue e sua aparência era a de um compenetrado e inocente sacerdote inca.

 

Enfrentei-os e perguntei-lhes se sabiam sorrir. E me brindaram com os seus melhores sorrisos e me ofereceram todos os bens da Terra, como satanás, lúcifer, o chifrudo, tentando a Jesus no deserto, e lhes gritei que não. Mostrei-lhes o caminho para a salvação, e não me escutaram. Então os amaldiçoei por todo o mal que fizeram e ainda pretendem fazer, subvertendo a ordem em favor do caos, que só será visto e sentido quando os quatro cavaleiros iniciarem seu ultimo ataque á humanidade.

Mas então eu o vi despontar ao lado direito dos cavaleiros: O Messias da redenção deste reino. Usava uma capa preta do luto, tinha um olhar sério, feições de seriedade. Suas palavras eram a verdade. Atrás dele vinham outros como ele, nenhum indicado pelos quatros cavaleiros do petecalipse nem liam por sua cartilha ou seu livro vermelho de um Mao iniquo já aniquilado ou de um Stalin sanguinolento já esquecido. Um halo de luz brilhava no negrume da noite. Este não era um cavaleiro. Era um cavalheiro, não tinham distintivos, spenas portavam uma bandeira original e genuinamente verde e amarela como sempre foi. 

Os quatro cavaleiros do Petecalipse para terem poder têm que subverter as leis, criar o caos, trocar a bandeira como simbolo de sua vitória, porque sem isto sua vaidade pessoal, sua ambição, sua glória nunca serão completadas. O reino está em perigo.   

 

Rui Rodrigues

 

 

 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: