DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Vamos acabar com as guerras?

Vamos acabar com as guerras?

Vencedores sempre perdem a futuro

Vamos acabar com as guerras?

Até 1945 a “arte” das guerras limitava-se a danos localizados que podiam ser reparados em alguns anos, uma década. Eram hortas, pomares, pontes, barragens, fábricas, casas, até cidades arrasadas que se recompunham rapidamente. Depois da descoberta das bombas atômicas e de hidrogênio, o panorama mudou radicalmente. Graças a esforços de contemporização e medo internacionais, não se voltaram a deflagrar bombas atômicas com fins bélicos e até os testes, tanto quanto sabemos, estão adormecidos. Mas o perigo persiste. A qualquer momento os loucos que costumam passar pelo poder podem deflagrar uma inconseqüente guerra nuclear.

Temos realmente consciência do perigo que corremos?

O maior perigo é um inverno nuclear[1]. O menor, raças eliminadas, vidas destruídas, gerações eliminadas, genes perdidos, gênios em potencial destruídos antes de terem uma oportunidade na vida. Ninguém ganha com as guerras. Os vencedores também perdem, e Napoleão (e muitos outros) demonstram isto.

O inverno nuclear já foi produzido por pelo menos duas vezes neste planeta pelo impacto de meteoros. A explosão, equivalente a milhares de bombas atômicas provocou nuvens que circundaram o globo por décadas provocando efeito estufa, e por falta de raios solares, a morte de 98% da vida. O planeta se recuperou, mas não com as mesmas espécies que antes existiam. Só com cerca de 2% delas, remanescentes e mesmo assim temos toda esta diversidade. A natureza não se preocupa individualmente com qualquer espécie preservando-a. A natureza é. Simplesmente é.


O que leva às guerras

 

O primeiro fator determinante para uma declaração de guerra é a disponibilidade de exércitos e as constituições tal como concebidas até os dias de hoje, em democracias representativas: os governos podem declarar guerra sem consulta popular, à revelia dos cidadãos. Não há constituição que o não permita (exceto a da Costa Rica que nem exército tem).

O segundo é um conjunto de fatores: declaram guerras por vaidade, loucura, desespero, vingança, oportunidade, demonstração de poder, distração dos problemas internos. A história da civilização humana está repleta de exemplos. Aliás, a história da humanidade tem sido uma guerra constante. Não se deve ter passado um único dia neste planeta sem guerra. E algum lugar há sempre uma guerra. Os governantes sempre pensam que são deuses locais neste planeta e que podem governá-lo por completo. Hitler pensava isso, e Lula recentemente pensa que pode dominar a América Latina e depois o mundo.

O que podemos fazer para impedi-los, nós, cidadãos?

Pela ordem:

 

  1. Exigir de cada governo – cada nação acionando o seu governo - alterações na constituição de forma a obrigar que guerras somente sejam declaradas após consulta popular via net, ou outros dispositivos mais seguros. Numa primeira fase, a consulta deve ser dirigida a representantes populares, eleitos regionalmente, na mesma proporção dos senadores, porém em número total que impeça a compra da opinião. Em outras palavras, se alguém quiser comprar um senado de 300 participantes a um milhão por senador, gastaria 300 milhões, preço acessível a muitas entidades interessadas na guerra. Comprar um milhão de representantes para assunto especifico de declaração de guerra fica bem mais difícil senão impossível.
  2. Da mesma forma, exigir de cada governo – cada nação acionando o seu governo – alterações de remuneração a vítimas de guerra quando declaradas unilateralmente, isto é, quando os soldados morrerem em combate fora das fronteiras do país. Os ministérios são de defesa e não de ataque. Eles nos enganam com o nome pacífico de “ministério da defesa”, porque é a partir destes ministérios que sempre se iniciam as guerras. O pagamento deve ser justo com o valor da vida humana que sempre tem sido bem menor do que o custo de uma arma de guerra, sem alma, sem vida. O valor deve ser o resultado da multiplicação dos seguintes fatores: Expectativa de vida diminuída da idade do combatente morto; salário anual; numero de membros associados de família. Não se pode admitir que uma ida humana valha menos do que um avião. Aviões se repõem, vidas humanas são perecíveis.
  3. Fundar uma Liga Internacional de nações com forças armadas cedidas de forma constante pelos países membros para garantir a ordem mundial, impedido o direito de “vetar”.
  4. Redirecionamento das forças armadas para serviços comunitários e de polícia sem perda de direitos. 

 

Quais os benefícios das medidas propostas?

Parece que o mundo ficaria bem mais seguro, sem a interferência de loucos no poder, que ascendem sem sequer se submeterem a testes de personalidade, exames médicos operados por junta médica, geralmente seres dotados de enorme ambição e visão localizada e concentrada em objetivos pessoais, normalmente dependentes da opinião de quem lhes pagou – de forma direta - as eleições. Se a preponderância das contribuições tiver sido das empresas de material bélico, a probabilidade de guerra é ainda maior.

Em termos de economia, é de considerar a referência do IPEA [2] “No período 2010-2011, o gasto militar mundial foi, em média, de US$ 1,62 trilhão, equivalente a 2,6% do PIB mundial (no ano de 2010) e correspondente a US$ 236 para cada pessoa no mundo (também em 2010) (PERLO-FREEMAN et al., 2011, p. 157)”.

È fácil verificar que todo este capital poderia ser canalizado para outros setores produtivos que não sejam de destruição. É um valor considerável que não pode ser desprezado. Poderia ser utilizado, em cada país, para implantar ou beneficiar as infra-estruturas, a saúde pública, a luta contra o narcotráfico, o reforço da segurança, o controle de fronteiras e plataforma continental, teríamos um novo mundo...

É em busca deste novo mundo que a democracia participativa se explica da melhor forma e com a melhor e maior propriedade: a voz da nação contra os que usurpam o poder e manobram em seu nome dizendo que a “representam”.

Somos todos, em todo o mundo, cidadãos muito mais inteligentes do que aqueles que colocamos no governo. Mas como o sistema é corrupto por natureza, não nos candidatamos. Mas podemos falar e exigir-lhes.

 

Rui Rodrigues

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: