DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Venha viajar de balão. É grátis.

Venha viajar de balão. É grátis.

Venha viajar de balão. É grátis.
 
 
 Veja o mundo do alto de um balão

 

Quem nunca passou por uma universidade não tem a mente suficientemente preparada para ter uma abrangência ampla e global do mundo, compreender as “leis” que o regem. Destes, que passaram pela universidade, uns usam o conhecimento adquirido de forma extremada em seu favor, não se importando se suas ações ajudam a melhorá-lo ou a afundá-lo ainda mais. Não têm o conceito da perenidade das civilizações, de seus enredos. Outros olham o mundo de forma oposta e, desde organizações de beneficência até instituições religiosas vão sofrendo a dor de se opor àqueles. Outros ainda, desanimados, com diploma válido, catam alimentos em latas de lixo para permanecerem vivos por mais alguns inconstantes dias, esperando a morte verdadeira chegar, porque a social já faleceu há muito tempo.
 
Dos que não freqüentaram as universidades, tendo ou não um diploma comprado, ajudado, compartido, muitos entendem perfeitamente o mundo que os cerca, mas se podem encaixar perfeitamente nas classificações do primeiro parágrafo, daqueles que freqüentaram e universidades e ganharam com mérito seu válido diploma. A diferença entre uns e outros é o conhecimento. O conhecimento geral e o de causa própria.
 
Mas para entender o mundo de forma global e ampla, é preciso subir num balão, tão alto, que se veja a Terra girar e todos os países do mundo nos passem pelos olhos, pelos ouvidos, pelo entendimento. Vamos lá? A viagem é completamente grátis.
 
 
  1. A partida
 
Na partida está a família e os amigos e ou uns ou outros. Entre frases de despedida para a viagem, ouvem-se as mais dispares que chegam a parecer não fazer muito sentido, como por exemplo, para se tirar fotos lá de cima, para se ter cuidado, para nos agasalharmos. Uma tia ou uma amiga nos diz que podemos ficar descansados porque cuidarão do cachorro, que aquela conta do Banco será paga e que depois lhe reembolsaremos. Que o chefe do escritório mandou lembranças. Que a mídia nos pagará uns trocados pelas fotos. Que o aeroporto mais próximo já está avisado que o balão irá partir em seguida. É um mundo pequeno, limitado, tão ínfimo que se não fosse pela mídia, ninguém saberia da partida do balão nem quem ia a bordo. Nesse mundo pequeno, notícia só é divulgada, e de primeira página, se a bordo estivessem o presidente da república, ou a presidenta do Republico, se falássemos de “governo”. E ao dizer isto, todos em volta, assistindo à partida ririam muito, com o melhor bom humor, das cretinices alheias.
 
  1. Subindo em baixo nível.
 
Subindo a baixo nível ou em baixo nível, podemos ver casas, cidades, campos, lavouras, reservas índias, fábricas, estradas, barragens, postos de saúde, estabelecimentos de ensino, e se estivermos perto, a cidade de Brasília e o Congresso, mas não os corredores do Congresso, porque são escuros, cobertos, tapados, e lá existe uma fauna muito especial sem qualquer representante do povo. Chamam a essa fauna de lobistas, mas o nome verdadeiro deveria ser o de conspiradores, “maracutaios”, “conluistas”. E sempre subindo... Lá está... Vê-se agora perfeitamente o Brasil inteiro sob nossos olhos, do Oiapoque ao arroio do Chui. Que lindo. Sem nenhuma nuvem vê-se tudo.
 
Vê-se uma seca imensa no Nordeste que desde os tempos da Sudene nunca foi resolvida e canais e obras do ultimo governo paradas, mal executadas, como prenuncio de que só serão concluídas algum dia, quando derem o calote nas empresas construtoras que serão indenizadas sobre preços de custo já por si astronômicos, por atrasos no pagamento, projetos mal rascunhados, garatujas de criança. As estradas esburacadas, de terra, apesar dos bilhões de moedas pagas para a sua construção e manutenção. Escolas com merenda roubada, estragada, sem merenda, prédios ao abandono de cuidados, e como os professores mesmo assim estão dando suas aulas, não podem ser vistos do alto por causa dos telhados. Vêem-se fábricas fechadas por causa da alta do dólar que dificultou a venda no exterior de seus produtos que assim ficaram mais caros. Vêem-se cidadãos desabrigados pelas cheias e pelas derrocadas de morros, por bueiros de água que arrebentam, pro falta de emprego. Vêm-se idosos nas ruas pedindo que não lhes baixem seus miseráveis pagamentos de aposentadoria, bandidos roubando á vontade, matando, invadindo a propriedade, e assentamentos que no inicio eram povoados pelos sem terra, e que agora estão na mão de meia dúzia deles, que os outros, os que saíram dos assentamentos, estão em movimentos para ocupar novas propriedades das quais venderão depois as suas partes. Vêem-se reservas índias invadidas, nenhum índio no senado, cemitérios de ambulâncias “zero quilômetros” sem uso apodrecendo ao tempo, equipamentos hospitalares que nem sequer foram desempacotados. Podem ver-se grupos imensos de pessoas drogadas, consumidas pelo crack, gente morrendo em filas de hospitais, médicos que recebem o salário, batem o ponto e vão embora.
 
Do balão, a esta altitude, vê-se o que se quer ver, lê-se o que se quer ler. Muitas visões e leituras incomodam.
 
  1. A alta altitude.
 
Começam a aparecer os contornos de África, e ao norte, revolução no Egito porque um presidente se quis fazer rei e legislar em prol de um grupo, quando são muitos os grupos no Egito. Vemos pobreza em África, como se África fosse uma enorme teta seca de mãe faminta que não tem leite para dar a seus filhos. Outros lhe chuparam o leite. E quando todo o resto parece em paz, passamos por cima da Síria onde ainda há um rei absolutista que governa como rei tirano. Mais de cem mil mortos na Síria, e o mundo num impasse. Quem se importa com o povo sírio?
Subindo chegamos à Europa. Na Grécia há cerca de sessenta por cento da população desempregada. O Sul da Europa passa fome. Seus governantes agem como reis absolutistas, que legislam em causa própria e comprometem a economia, a saúde, os serviços públicos. Alguns se auto-exilaram e vivem em capitais gastando por conta de um povo que exploraram. E dizem todos que vivem numa social democracia, protegidos por União Européia que viaja agora a quatro, cinco, dez, vinte e sete velocidades, sendo que algumas não passam do zero. Estão paradas, seu povo emigrando para o desconhecido, com esperanças de sobreviver. Até na China e nos EUA, numa década apenas, cidades enormes, prósperas, ricas, se transformaram em cidades fantasmas, com industrias falidas, fechadas.
 
Lá do alto, vê-se o mundo inteiro e ficamos ansiosos para descer, buscar livros de história universal e pesquisar para sabermos onde erramos para vermos tanta desgraça. Talvez se os cidadãos pudessem dizer a seus governos, pelo voto, o que querem, pudessem ser ouvidos, como numa Democracia Participativa que Sócrates descobriu há milênios e agora é possível através de voto pelas redes sociais ou um site do governo para votação pública.
 
A paisagem vista do alto a olho nu e cérebro desligado, é soberba, divina, Mas, quando assestamos os binóculos e ligamos os neurônios do cérebro, vemos que é necessária uma grande obra para mudar o que nos incomoda.
 
© Rui Rodrigues,
  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: