DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

A fama no tempo dos que governam.

A fama no tempo dos que governam.

A fama no tempo dos que governam.

( como é o caso de Marcilius Marcianus)

 circo romano

São muitas as ilusões deste mundo. Todos nós sabemos disto, do mais ao menos ser inteligente. E convenhamos que para nós mesmos admitimos que muito do que vemos e fazemos é pura ilusão. Porque nos iludimos? Simplesmente para ocuparmos o nosso tempo, ou termos uma “meta na vida”, uma ocupação mental, um esperança, e conseqüentemente, para ocuparmos o nosso tempo dando sentido ao “viver”. O trabalhador que chega em casa cansado física ou mentalmente, não tem muito tempo para filosofar. Só aos sábados e domingos, desde que não tenha problemas sérios para a semana seguinte, como, por exemplo, pagar faturas e contas de serviços públicos com dinheiro curto ou resolver problemas do trabalho para a semana seguinte.


Essas ilusões consomem nosso tempo, despertam as nossas atenções, esvaem o nosso dinheiro, mas há sempre um envolvimento muito grande nessas ilusões: Uns buscam a fama, enquanto outros, concomitantemente, ganham dinheiro e outros o gastam chamando a essas ilusões de diversão. A fama, o prazer de ser o campeão, o melhor, não é atingido por todos, e por vezes se passa uma vida inteira tentando. O tempo passa, essa a distração, a meta. Outros aproveitam os gostos populares, sabendo que existe quem deseje a fama para sustentar o espetáculo, e investem dinheiro nas diversões, isto é, nas ilusões. Ficam ricos. O povo vive sempre oprimido, sempre viveu e provavelmente viverá com contas a pagar, dificuldades, leis, impostos, como se os governos existissem para “ganhar dinheiro” às custas do povo, um monstro, um dragão que precisa ser alimentado para que não nos destroce. Em troca, dão ao povo o mínimo de condições para que continue na ilusão de que “vale a pena” trabalhar, contribuir, porque em troca têm água potável, transportes públicos, eletricidade, serviços de saúde de emergência e meia dúzia de escolas públicas.

luta de gladiadores 

O circo romano é um exemplo, talvez o melhor, da simbiose e do diálogo entre empresários, governo, povo e famosos. Diálogo, sim, porque como explicar os circos romanos? Era o povo que os queria e por isso os empresários os construíram, ou foi o governo que os construiu com financiamentos dos empresários para o povo se distrair e gastar seu dinheiro, usando como protagonistas, que catalisavam as emoções, os que desejavam a fama?  Se olharmos para algo mais recente como o governo de Hitler, o povo alemão, os soldados, os empresários das grandes indústrias alemães durante a segunda guerra mundial, ficaremos na eterna dúvida: Será que o povo alemão gostava da guerra, do holocausto, ou apoiava para “apoiar” o governo, por adesão ou medo?  

A guerra é um circo neste contexto, e nos circos romanos havia guerras. Mas os circos romanos evoluíram muito, embora não no essencial, de forma que no mundo moderno os circos se deterioraram de sua forma e ação iniciais, mas mantiveram a intenção intacta: Distrair a atenção popular aproveitando-se para distraí-la dos aspectos fundamentais da política ditatorial.  Enquanto houvesse pão e circo – “pane et circencis” – o povo estaria tranqüilo, satisfeito com todos os demais atos de governo. Os empresários adoravam isso, e adoram, não porque participem diretamente dos lucros do circo, mas porque isso lhes permitia explorar os preços, construir com dinheiros públicos, ganhar os favores do senado e dos imperadores. Todos eram muito populares: Os empresários, os senadores, os imperadores e os “heróis” protagonistas dos espetáculos de circo. Havia circos em todos os territórios sob jurisdição romana, como não poderia deixar de ser. O império divertia-se e comia. O resto era o governo que providenciava através de ordens do senado. Com ou sem o conhecimento prévio do povo, não importava. Hoje as decisões do senado são transmitidas pelas televisões e pela net, e continuam decidindo sem perguntar nada ao povo. Nisto, o hábito, o costume, a prevaricação, continua. Não mudou absolutamente nada.

Holocausto de cristãos 

Mas o que era o Circo Romano?

 

Eram enormes edifícios - o de Roma comportava 50.000 lugares - destinados á “diversão”, assim se entendendo lutas mortais entre gladiadores de diversas regiões do planeta, assar em fogueiras os condenados pelos juizes, atirar cristãos aos leões para serem dilacerados, batalhas navais entre trirremes numa enorme piscina interna que faziam encher de água. Quando um gladiador perdia a batalha, o vencedor não tinha direito a matá-lo. Era necessária uma interação entre governo e povo, e para isso, perguntava-se se o perdedor deveria ser poupado ou sacrificado. Algumas vezes, para deixar patente o seu poder, mesmo o povo pedindo que o gladiador fosse poupado, o imperador o mandava matar. O vencedor então o executava do modo mais rápido. O sucessor do terrível circo romano foram os encantadores circos dos dias de hoje e que estão em extinção, e as deprimentes e já arcaicas corridas de touros, com morte, em países de origem espanhola que deveriam extingui-se. Há centenas de anos que em Portugal os toureiros estão proibidos de matar o touro. Portugueses e espanhóis são iberos, mas há sensíveis diferenças, umas para bem, outras para mal.

 

Circo de Mérida - Corrida de bigas

Havia também corridas de bigas, carroças de guerra puxadas por dois cavalos, embora para o efeito houvesse estádios específicos para estas corridas. Faziam-se apostas regulares, muita gente perdeu dinheiro como se pode imaginar. Estas corridas deram origem ao “turfe”, ou corridas de cavalos dos dias de hoje, com público cada vez menor.Na entrada destas instalações, distribuía-se o pão grátis. Pão, do bom, tanto quanto se quisesse. Ninguém passava fome.

 Batalha naval no circo de Roma

Hoje os governos continuam populares de certa forma, mas já temos dinheiro – alguns, para assistirmos a jogos de futebol, jogados em “arenas”, talvez porque os jogadores são caçados durante os espetáculos, quebram cabeças, sangram por cotoveladas, os árbitros marcam goles e pênaltis que não existiram, interagindo com a multidão, que na saída ou na entrada dos estádios, costumam matarem-se uns aos outros em verdadeiras batalhas de torcidas. E há os shows grátis, constantes, pagos por governos locais ou centrais, para distrair. Parece que “Shows e futebol” seja o termo mais adequado para traduzir para o presente o antigo “pão e circo” do tempo dos romanos, porque já não distribuem pão por ser muito caro. Mas agora temos mais uma entidade satisfeita e feliz com este estado de coisas: a FIFA, como empresária e que mantém as regras, agora leis, que permitem a polêmica, a dúvida, a injustiça, como “molho e condimento” do circo, isto é, das novas “arenas”. Arena, que deriva do romano, era exatamente o nome dado ao recinto coberto de areia para absorver o sangue dos gladiadores feridos, nos circos romanos. O nome “arena” para os novos estádios, é adequadíssimo. Uma volta ao passado.   

 

Ah!... Ia esquecendo. Quem foi Marcilius Marcianus, o tal e esquecido romano!

 O "herói" esquecido e que hoje nem teria fama

Não sei. Simplesmente não sei. Procurei por toda a Net, e nada de Marcilius Marcianus. A única coisa que podemos afirmar é que foi um auriga, isto é, o condutor de bigas, que ficou famoso por suas vitórias no circo romano de Mérida. Teve seus momentos de glória assim como alguns jogadores de futebol e artistas de shows do presente. Deve ter sido muito disputado para vestir as cores de empresários famosos. Hoje os governos, para serem populares, modificam as leis tentando modificar os costumes. Assim, presos, mesmo por assassinato têm salários maiores do que professores, senadores e deputados condenados pela justiça, mas ainda em liberdade são reempossados em seus cargos por um senado independente e soberano sob o qual pesa a condenação de alguns membros terem sido comprados por verbas mensais para dizerem sim e não, conforme os interesses, em votações do senado e das câmaras de deputados.

 

A fama de Marcilius Marcianus que ficou no esquecimento como se o tempo lavasse a memória, ficou gravada numa placa comemorativa no circo romano de Mérida, parte integrante da Lusitânia romana, que nos tempos modernos poderíamos traduzir por “Brasília romana”! (ou "Portus Cale romana"). Marcilius Marcianus é como os santos antigos... São santos mas já não fazem milagres porque ninguém lembra deles.

 

Afinal, o que mudou?

 

Rui Rodrigues

 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    3






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: