DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Amazônia – Uma solução

Amazônia – Uma solução

Amazônia Legal


Amazônia – Uma solução

 

Já se disse que judeus comiam criancinhas,

Que negros não tinham alma, e outras mentiras,

E hoje, que somos uma nação,

Continuamos a dizimar as nações índias[1].

Rui Rodrigues

 

 

Precisamos mudar o enfoque sobre a Amazônia, o “Pulmão do Mundo”.

 

A natureza é. Existe. Nossos doutores em ambiente não dominam ainda muito bem os segredos da natureza. Se dominassem não haveria tanta destruição com tsunamis, terremotos, tufões, furacões, deslizes de morros, vulcões, meteoritos. Sabemos muitas coisas sobre ela, mas temos poucas certezas e raras previsões acertadas sobre o comportamento da natureza. Parece que a natureza nos aceita, não nos ignora, mas não nos dá a mínima importância. Para ela, seres humanos inteligentes ou dinossauros inteligentes, é a mesma coisa. O que nossos doutores dizem e sabem morre nas bancadas do Congresso Nacional, e por falta de instrução, são poucos os que entendem o que dizem.

 

Mas a natureza, essa sim, é muito inteligente. Precisamos aprender a vê-la como uma “coisa viva”. Quando as condições ambientais mudam, por influência de uma catástrofe de qualquer tipo, ela se recupera. Só precisa de tempo. Seria idiotice nossa querer manter um pedaço da Amazônia dentro de pequenas fronteiras desenhadas em papel. A Amazônia é um pedaço vivo, ainda auto-sustentável, que sobrevive apesar de apreciável parte de sua biomassa já ter sido destruída. Não sabemos até onde a poderemos destruir sem que desapareça como a mata atlântica a qual, apesar de órgãos e leis que a deveriam proteger, vê a sua extinção em curto prazo. A Mata Atlântica está hoje reduzida[2] a cerca de 12% do que era em 1.500 DC (de 1,8 milhões de km2, reduzida a 149,7 mil km2). Exatamente porque ela pertence a “Estados”, e estes Estados são governados por seres humanos e leis factíveis de corrupção ou incapacidade para julgar, planejar, projetar, cuidar, vigiar, governar.

 

Organismos internacionais e nacionais têm mostrado preocupação com o “pulmão do mundo”, ou seja, a Amazônia, incluindo a plataforma continental. Este artigo tem a mesma preocupação, e é despido de qualquer interesse que não seja o de apontar uma solução, embora se reconheça que a Amazônia não é, apenas ela, o pulmão do mundo. As plataformas continentais produzem muito mais oxigênio, as matas de outros continentes também, e se não produzem mais é porque já foram destruídas. Havia muitos pulmões neste planeta sacrificados em nome do “crescimento” e da “evolução”.   

 

A solução é simples: Desvincular a área verde da Amazônia dos Estados e criar uma área sem cidades, vilas ou aldeias que não sejam aldeias índias. A supervisão dessa área seria função do governo do Brasil, como de fato nos pertence, ao povo brasileiro, com presença efetiva das forças armadas e da Polícia Federal que vigiariam a área com aeroportos estratégicos, instalações militares e de marinha. Seria uma enorme reserva protegida, repositório da diversidade, com direito a turismo e centros de estudos auto sustentáveis. A Amazônia pagaria os custos de sua própria manutenção.

 

Esta área verde, atualmente dividida por estados, proporciona, numa democracia representativa, a oportunidade de especulação e ganhos pessoais com a sua exploração que corre ao sabor das instruções dos Partidos a seus representantes no Senado, nas câmaras, nos palácios de governo e prefeituras. Não pode continuar sob alçada de políticos que dela possam dispor fazendo vista grossa para a lei, exaurindo recursos para a fiscalização e depois de invadidos os locais alegue que não teve meios para fiscalizar. Também não pode ficar entregue a ONGS que não demonstram aplicação de recursos nem emitem boletins transparentes de suas atividades. A Amazônia nunca precisou de nós para sobreviver, nem as tribos índias que ainda vivem por lá. Deixemo-la como ela é e sempre foi. Ou, conforme vertente de uma linha de ambientalistas que afirmam não ser a Amazônia o pulmão do mundo, que se estabeleça um projeto de ocupação da Amazônia de forma auto-sustentável, mas que seja bem melhor e mais eficiente do que os que foram adotados por países que acabaram com suas florestas para poderem desenvolver-se e mantêm hoje pequenas reservas como amostra do que um dia tiveram e destruíram. Muitos países de primeiro mundo, das maiores economias do planeta estão neste grupo.

 

O que não se pode é ficar na dúvida e no desgaste diário de notícias contraditórias sobre desmatamento e ocupação, tribos índias que perdem suas terras, assassinatos como no tempo da ocupação das terras litorâneas da estrada Rio-Santos nos idos dos anos 70 quando jagunços assassinavam pescadores para lhes ficarem com as terras. Nem com a ocupação da Barra da Tijuca, efetuada da mesma forma, entre tiros e facadas. Isso só serve a governos complacentes que fecham os olhos para distribuir terras. Dirão que em caso de improbidade se movem ações na justiça e se prendem os corruptos. Temos visto que não costuma ser assim. Roubam-nos as verbas públicas, e mesmo quando vão para a cadeia, não devolvem o dinheiro desperdiçado. Além do mais, os cargos são distribuídos por políticos “de confiança” e não por gente competente. “Confiança” de quem?

Por estes motivos é mais seguro que os Estados cuidem vigiando a área da Amazônia pelas fronteiras, do lado de fora, do que “governá-la” estando nela instalados. Permissões especiais podem ser concedidas para estudos por tempo limitado renovável por períodos. O custo dessa manutenção é da União, não dos Estados. E a própria Amazônia se paga de forma auto-sustentável.

 

No que respeita a populações índias[3], havia em 1500 cerca de 5 milhões de indivíduos, reduzida para cerca de 2 milhões até o ano de 1800 (Brasil tornou-se independente em 1822). De lá para cá sobraram apenas 280.000 indivíduos.

 

Além dos povos indígenas, a preservação da Amazônia deveria ser encarada sob o ponto de vista da riqueza de sua diversidade, de forma a que não se extinga antes de ser desvendada por completo. A maioria dos políticos não tem instrução acadêmica para entender o que isto significa, e votam leis sem a mínima noção do desastre que provocam por sua ignorância e ambição, quando participam direta ou indiretamente de atos que atentam contra a natureza. Muitas vezes nem sabem o que votam, como se pode constatar neste vídeo http://www.youtube.com/watch?v=ZbCB5pv33wE (repórter é agredida)

 araraAmazôniaíndia com arara

Breves informações sobre a Amazônia

 

Amazônia Legal – Com uma área de 5.217.423 km2, correspondente a cerca de 61% do território nacional, compreende a totalidade dos estados do Amazonas, Acre, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, e parte do Mato Grosso e Maranhão (a oeste do meridiano de 44º de longitude oeste, onde residem 55,9% da população indígena ou seja, cerca de 250.000 pessoas. Equivale a quase a metade da superfície da Europa e possui 11,5 mil km de fronteiras. A bacia do Amazonas escoa cerca de 20% da água doce do planeta. Não há razão para o alto custo da água no Brasil.

Solos - Há milhões de anos, a área onde está localizada era um mar apresentando solos geologicamente pouco férteis e arenosos. A floresta derruba seus galhos, frutos, folhas, animais morrem, etc. formando uma camada superficial de matéria orgânica que se decompõe e se transforma em húmus que, por sua vez, alimenta a vegetação. É um solo frágil.

Bioma [4] – Embora somente cerca de 10% das espécies da Amazônia sejam conhecidas, pesquisas indicam que na Amazônia existem cerca de trinta milhões de espécies animais. Nas águas amazônicas estão 85% das espécies de peixes de toda a América do Sul. Todos os anos milhares deles migram tentando encontrar locais adequados para reprodução e desova. É a Piracema. São 1.200 espécies conhecidas de aves. A lista oficial da fauna ameaçada do Brasil inclui 58 espécies da Amazônia – 9% do total.

Tribos índias [5]- O Brasil possui uma imensa diversidade étnica e lingüística, estando entre as maiores do mundo. São cerca de 220 povos indígenas, mais de 70 grupos de índios isolados, sobre os quais ainda não há informações objetivas. 180 línguas, pelo menos, são faladas pelos membros destas sociedades, que pertencem a mais de 30 famílias lingüísticas diferentes.

Rui Rodrigues

 

  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: