DEMOCRACIA PARTICIPATIVA- A única verdadeira!

Como começa uma guerra mundial – Sinais

Como começa uma guerra mundial – Sinais


Mobilização alemã para a guerra de 1914
Como começa uma guerra mundial – Sinais
(Uma visão da atualidade com foco na segunda guerra mundial).
 
Somos uma humanidade muito complexa. Entre nós temos pessoas que por falta de oportunidade ou interesse não acompanham as notícias diárias; outras que acompanham mas não lêem as entrelinhas das notícias nem o que deveria ter sido dito e não foi; outras que sabem de tudo porque estão nos bastidores do teatro da política mas não dizem nada. Neste último caso, para nós, cidadãos comuns, é como estar sendo representada uma peça no teatro e não termos bilhetes para entrar. Por outro lado, e da mesma forma, nas oficinas bélicas constroem-se e projetam-se equipamentos, ferramentas, das quais não temos a mínima notícia, e quando aparecem num cenário de guerra nos admiramos dos enormes progressos.
 
Vivemos num mundo sempre atrasado em relação às invenções, inovações, e principalmente em relação à política. “Experts” formados em ciências políticas normalmente discutem sobre os fatos consumados e quando fazem previsões estão normalmente longe da realidade. Da mesma forma os futurólogos, principalmente os de desenhos animados, que sempre vêm o progresso num futuro muito perto no tempo.
 
Para começar pelos sinais de inicio de guerras, começaremos por 1918 para tentar explicar o que poderia ter sido notado e foi negligenciado. Por causa disso, a guerra foi uma surpresa, e o mundo virou do avesso em busca do tempo e do progresso perdido. A guerra poderia ter sido evitada, mas aparentemente havia quem tivesse muito interesse nela. Se você, leitor(a) reparar em sinais semelhantes ou em outros, não se apavore. O mundo progrediu muito para permitir uma nova guerra mundial, mas pelo sim, pelo não, caldinho de cautela não faz mal a ninguém.
 
Guerra de 1914-1918.



Capitulo I - O tratado de Versailles[1]. 

Assinatura do tratado de Versailles

 
A idiossincrasia alemã, ou parte dela é de conhecimento de um bom público. Caracteriza-se pelo empreendedorismo, povo alegre para a vida, silencioso para os negócios. Pensam constantemente no dia de amanhã. Podem ir para o abismo, mas vão juntos, unidos, e a hierarquia é absolutamente importante. O povo inteiro é um enorme exército da vida civil. Quando perdem numa negociação ou em qualquer aspecto da vida, não podem ser tratados como perdedores comuns. Devem ser tratados com todo o respeito e consideração.
 
Não foi isto que se viu quando a Alemanha assinou o tratado de Versailles em 1919 após ser derrotada na primeira grande guerra mundial[2].
O tratado de Versailles assinado em 28 de junho de 1919 estabeleceu:
 
  1. Perda de parte do território para as nações fronteiriças.
  2. Perda de todas as colônias sobre os oceanos e sobre o continente africano
  3. Reconhecimento da Independência da Áustria (ela, a Hungria e a Alemanha faziam parte do Império austro-húngaro, uma reminiscência do Sacro Império Romano Germânico)
  4. Restrições ao tamanho do exército alemão.
  5. A Alemanha reconhecia sua culpa pelo início das hostilidades que originaram a primeira guerra mundial.
  6. Pesada indenização de guerra. O tratado foi ratificado em janeiro de 1920 pela Liga das Nações que correspondia às Nações Unidas de hoje, e que esta substituiu, e finalmente em 1921 foi estabelecido o valor da indenização: 33 milhões de dólares ou 132 bilhões de marcos alemães. Parece pouco, mas era extremamente excessivo para a época. A França, por a guerra ter sido realizada em maior parte em território francês era a nação mais intransigente com a Alemanha. Era tão excessivo que China e os EUA de Woodrow Wilson negociaram a paz em separado com a Alemanha e não entraram para a Liga de Nações.
 

As terras perdidas pela Alemanha foram as seguintes[3]:

 
- Alsácia-Lorena, os territórios cedidos a Alemanha no acordo de Paz assinado em Versalhes em 26 de Janeiro de 1871 e oTratado de Frankfurt em 10 de Maio de 1871, seriam devolvidos a França (área 14 522 km², 1 815 000 habitantes, 1905).
- A Sonderjutlândia seria devolvida a Dinamarca se assim fosse decidido por um plebiscito na região (toda a região da Schleswig-Holstein teve o plebiscito, sendo a Sonderjutlândia a única região a se decidir separar)(3984 km², 163 600 habitantes, 1920).
- As províncias de Posen e Prússia Oriental, que a Prússia Ocidental tinha conquistado nas Partições da Polônia eram devolvidas após a população local ter ganho a liberdade na Revolução da Grande Polônia (área 53 800 km², 4 224 000 habitantes, 1931).
- Hlučínsko, região da Alta Silésia, para a Checoslováquia (316 ou 330 km² e     49 000 habitantes)
- Parte leste da Alta Silésia para a Polônia (área 3214 km², 965 000 habitantes) apesar do plebiscito ter apontado que 60% população preferia ficar sob domínio da Alemanha.
- As cidades alemãs de Eupen e Malmedy para a Bélgica.
- A região de Soldau da Prússia Oriental a Polônia (área de 492 km²).
- Parte setentrional da Prússia Ocidental, Klaipėda, sob o controle francês, depois transferida para a Lituânia.
- Na parte oriental da Prússia Ocidental e na parte sul da Prússia Oriental, Vármia e Masúria, pequenas partes para a Polônia.
- A província de Sarre para o comando da Liga das Nações durante 15 anos.
- A cidade de Danzig (hoje Gdańsk, Polônia com o delta do Rio Vístula foi transformada na Cidade Livre de Danzig sobre o controlo da Liga das Nações (área de 1893 km², 408 000 habitantes, 1929).
- O artigo 156 do tratado transferiu as concessões de Shandong, da China para o Japão ao invés de retornar a região à soberaniachinesa. O país considerou tal decisão ultrajante o que levou a movimentos como o Movimento de Quatro de Maio, que influenciou a decisão final chinesa de não aderir ao Tratado de Versalhes.
 
 
Os reflexos imediatos do tratado de Versailles


Protesto alemão contra o Tratado de Versailles 
O povo alemão sentiu-se ultrajado não tanto pela perda dos territórios, mas principalmente pela pesada indenização, praticamente impagável. Os EUA e a China atestavam tal exorbitância. Como principal reflexo, cai a república alemã de Weimar em 1933 e Hitler sobe ao poder. Embora seja questionável se Hitler subiria ao poder mesmo sem a pesada indenização, o certo é que se referiu ao tratado em sua campanha e denunciou as causas da humilhação e a política internacional de Hitler, logo que assumiu o governo, foi reaver, um a um, os itens cedidos no Tratado de Versailles.
 
Para piorar a situação, em 1923, o governo francês avaliou mal as dificuldades alemãs para pagar a indenização de guerra e invade o Rhur com numeroso exército disposto a aumentar o valor. O maior problema da Alemanha e que a impedia de pagar a dívida era uma inflação galopante como nunca se viu, tendo os alemães que usasr carrinhos de mão para levar o dinheiro para fazer uma "feira" normal.  A Grã Bretanha foi contra esta atitude da França, e o aumento desejado. A França, também com graves problemas econômicos – imagine-se a Alemanha - retira-se do Rhur em 1925, reconhecendo o seu fracasso. A truculência da primeira guerra mundial estava ainda presente no espírito de toda a Europa e faziam-se acordos para evitar novos conflitos tendo a Alemanha como foco principal.
França invade o Rhur
 
Assim, em 16 de outubro de 1925 assinou-se o tratado de Locarno[4] na Suíça, com o nome de “pacto de Estabilidade”, a zona da Renânia passaria a ser desmilitarizada dando os aliados em troca a garantia de que a Alemanha não seria invadida. Quiseram os aliados (Alemanha, Bélgica, França, Reino Unido e Itália) fazer um tratado semelhante em territórios orientais da Renânia, mas sem êxito.  De qualquer forma, para mostrar boas intenções sob o espírito do pacto de Locarno, a Alemanha foi admitida na liga das Nações em 1926. A França e a Tchecoslováquia firmaram tratado em separado para o caso de invasão por parte da Alemanha. Em 1930, os aliados saem da Renânia Ocidental. Justamente neste ano, Hitler assume o governo da Alemanha.
 
 
 Tropas alemãs invadem a Renânia
 
Em 07 de março de 1936, a Alemanha de Hitler com um pequeno exército invade a Renânia. Outros indícios de transgressão do Tratado de Versailles, por parte da Alemanha, vinham sendo observados desde 1930, tal como manobras com tanques de madeira, construção de navios de guerra de última geração, treinamento de aviadores em Portugal, projetos de fabricação de novos tanques (Panzer). Mas quem acreditaria que a Alemanha iniciaria uma nova guerra 20 anos depois de perder a primeira?
 
Em 1939, a Alemanha começou a invasão da Europa rumo a Paris, depois de reaver territórios que havia perdido pelo Tratado de Versailles, começando pela Polônia. A impressão que se tem é a de que a Primeira Guerra Mundial passou do campo de batalha - pelo tratado de Versailles, para o campo de batalha dos acordos e dos papéis dos tratados, recomeçando em 1936.
 
Mas como dissemos no inicio, há quem não veja porque não pode, porque não quer, porque não se interessa, ou vêm e “deixam pra lá”. Outros estão interessados, participam dos preparativos e os cidadãos nem sabem. É o que chamam de "segredos de Estado". Quando nos damos conta, nosso governo invadiu outro país - dizendo que nos representam - e estamos em guerra mesmo sem concordarmos. Dizem que é para o bem da nação. Imaginem se não fosse ... 
 
E por vezes nem se trata de guerra mundial. Pode ser uma simples revolução interna. Basta olhar para os indícios.
 
Rui Rodrigues.


[2]  Aliás, esta guerra deveria ter sido a II Guerra mundial, e a primeira, a Guerra dos 30 anos, que envolveu, além de boa parte da Europa, também a Alemanha. Ver emhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_dos_Trinta_Anos
 
 
  • DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, TOTAL, VERDADEIRA,
  • Como funciona a Democracia Participativa- Divulgar
  • Brasil - Esboço para nova Constituição
  • Portugal - Esboço para Nova Constituição
  • Sites sobre Democracia Participativa
  • O despertar do Norte de África-(E da humanidade?)
  • O uso de seu voto na democracia participativa
  • Tabus Sociais e a Democracia Participativa
  • Mensagem aos portugueses
  • senhores candidatos, com que cara vão pedir votos?
  • Sobre transição da Ditadura para “Democracia” e...
  • Sobre os bancos que recolhem as verbas públicas
  • O clima está mudando e as cigarras são poucas.
  • Chega de hipocrisia política- Basta!
  • A produtividade da emergente economia brasileira
  • O que esperamos nós, amantes da ética...
  • VOCÊ É RICO POBRE OU MISERÁVEL? – (Decida)
  • Cenário -2018
  • VIOLÊNCIA NO MUNDO (O que poucos admitem)
  • CAMARATE- Depoimento do ATENTADO e envolvimentos
  • Porque crise mundial não termina antes de 2018/28
  • O Brasil que queremos e a curva de Gauss
  • A crise econômica portuguesa, o fado, e a solução
  • 2011-Dívidas interna/externa de Portugal e Brasil
  • O perfil vencedor de um candidato a senador
  • Indecisões na Vida - E na política
  • A asquerosidade dos ratos de esgoto
  • Crise Mundial de 2008 – Fundamentos
  • Curdos - Síria - Bashar al-Assad
  • Intervenção do estado na democracia brasileira
  • From Russia With Love - Da Rússia com amor
  • Está lá o corpo estendido no chão
  • Crise econômica mundial e as “mudanças” políticas
  • Cuba, Fidel e o fim do Comunismo
  • Visões modernas do Socialismo no Brasil
  • Tudo bem, senhores do governo[1], roubem à vontade
  • Angola - Curiosidades sobre uma nova nação
  • A rica industria da pobreza
  • Esses Líderes de Araque
  • Homens e mulheres à frente do “seu” tempo!
  • O futuro de Portugal- Essa sociedade amorfa
  • CHINA , presente e futuro - 中国,现在和未来
  • Sem ilusões - Política e dopamina
  • Afundem o Lusitânia e outros 3 engôdos políticos
  • Crise mundial - sou paciente - Tenho paciência
  • Pressões sociais hoje – A Partilha do queijo
  • Brasil - Porque o PT perdeu as eleições – 2012
  • O Brasil de hoje - Uma opinião sem muita filosofia
  • Portugal – Como sair da crise de 2008
  • Política e vida à luz da consciência -
  • Panorama mundial - 2012.
  • O que é emigrar - Portugueses
  • Como passar em provas - Brasil - ENEM
  • O dilema do eleitor na hora de votar.
  • Vamos acabar com as guerras?
  • Os últimos condenados à morte
  • Good bye Romney!
  • Goa, Damão e Diu – Outra verdade!
  • Os neoescravos do século XXI
  • Humanidade encurralada !!!
  • Amazônia – Uma solução
  • Carta Aberta a Angela Merkel
  • Brasil fora de Ordem e de Progresso?
  • Como começa uma guerra mundial – Sinais
  • De olho em Dilma Rousseff - Reeleição jamais!
  • O Oriente Médio – momento atual e futuro.
  • Penso, então existo.
  • Economia - Um jogo de Pôquer ?
  • Lula suicidou-se!
  • Curemo-nos a nós mesmos
  • Contratos - No âmbito da administração pública
  • A necessidade da política tal como a conhecemos
  • Política- O incrível exército dos moribundos
  • Ensaio sobre a existência
  • O conflito Israel-palestino - O Cerne da Questão
  • Uma velha profissão: Políticos artistas!
  • Bento XVI, a Igreja Católica e as mudanças
  • Construindo imagens do mundo.
  • Bolsa de apostas - Quem será novo Papa
  • Consciência Planetária
  • A segunda guerra da Coréia
  • Os sete trabalhos de Francisco
  • Precisamos de um novo modelo econômico?
  • Sobre Margareth Thatcher – Conclusão póstuma.
  • Sobre os povos indígenas[1]
  • Como acabar com o terrorismo – Um processo difícil
  • A tragédia portuguesa - A verdade !
  • A ilha de Páscoa, um exemplo da sustentabilidade
  • Feminino masculino - Hatshepsut e Joana
  • O futuro político do Brasil – Sem muita filosofia.
  • Atlântida - A verdade à luz de Platão.
  • O despertar do monstro humanidade
  • Sexo e filhos
  • Conto - Manitu e Alce Pensativo
  • Caminhadas pela natureza da vida
  • Entenda-se Lula e Dilma e “seus” governos.
  • O messianismo político na América do Sul
  • A fama no tempo dos que governam.
  • Os arquivos secretos de Lula
  • Entendendo o Senhor Ministro Barbosa
  • O extraterrestre de Catités
  • Os quatro cavaleiros do Petecalipse.
  • Rumos da política portuguesa
  • RecaPiTulando o PT....
  • O livro vermelho do Crack
  • Seja sempre honesto quando procurar emprego.
  • Acredite, há um modo fácil de ser feliz neste mund
  • Tese Social - A armadilha do Destino
  • Sociedades em transformação e o Mundo Gay
  • O mendigo [1] ilustrado
  • A nobre arte de varrer e o “socialismo transnacio”
  • Razões dos movimentos de rua no Brasil 2013
  • Carta aberta ao Governo e ao Congresso Nacional
  • A JURISPRUDÊNCIA E A MORALIZAÇÃO DO BRASIL
  • Egito – uma primavera da humanidade ?
  • Senatus Populis Que Brasilis.
  • Apelo às forças armadas do Brasil
  • Uma hora de cidadão na democracia participativa.
  • O voto
  • Sete bilhões de humanos procurando governo honesto
  • O PAPA FRANCISCO QUE SE CUIDE...
  • conto - Meus professores me enganaram.
  • Se eu fosse senador
  • o Nojo....
  • Como os cidadãos podem governar por si mesmos
  • Cabum ! Preparação para nova guerra ?
  • Traição à Pátria
  • A neve de Verão (sob o ponto de vista do boi)
  • Weimar 1919 e Brasil 2013 - Um paralelo
  • Porque o Papa Francisco pede para rezar por ele
  • Venha viajar de balão. É grátis.
  • INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS.
  • Os acordos "Direita x Esquerda" e o fosso de vácuo
  • O caso dos Pesseghini. História mal contada ?
  • Brasil em impasse político
  • O Ciclo do Comunismo - Ascensão e queda.
  • Carta Aberta ao Ministro Lewandovsky
  • O “deus tutelar” - Seus efeitos sociais e ...
  • Esboço para alterações políticas - Brasil
  • O casamento e o presidente.
  • MOTIVAÇÕES de líderes mundiais
  • Limpando o senado federal, dando-lhe ética e moral
  • protocolo e cerimonial Planalto e Casa Branca
  • O amor nos tempos do dengue.
  • Minha admiração pela "Ladeira Abaixo 10"
  • O mercado de drogas. Como combater.
  • O melhor Partido Político.
  • Já sentiu saudades de um tempo que nunca viveu?
  • Acha que o “mundo” está mudando ?
  • O ultimo encontro com Fidel Castro
  • A Política no Brasil em tons de verde e amarelo
  • O Socialismo do século XXI – Nu e cru.
  • Ucrânia – Crimeia por Guantánamo?
  • O que podemos mudar no mundo para ser mais justo?
  • A Democracia Participativa e as eleições de 2014.
  • A famigerada copa Brasil 2014 da FIFA.
  • As eleições de 2014
  • O momento político-econômico do Brasil - jan 2015
  • 2015 - Já vimos este filme antes?
  • Refletindo sobre guerras - Teremos mais uma ?
  • A Grande Esperança para a humanidade e o Ambiente
  • A Ordem é uma estrada e por ela vai um Bando...
  • Contactos
  • Translate this Page



    ONLINE
    2






     DP

    Na humanidade, o que importa é o individuo. Todo o resto da paisagem que nos cerca serve para manter o individuo. Vivemos em sociedades, cada uma com suas características e se viverem em paz entre si não teremos guerras. Parece lógico, mas ou não é lógico, ou há grupos dentro das sociedades que não entendem esta lógica. Esquecem o coletivo e olham para si mesmos querendo o mundo para si. Restringem a humanidade ao seu grupo.

    Todo o ser humano que seja verdadeiro democrata é a favor: 

    1. Dos direitos da criança
    2. Dos direitos humanos
    3. Da paz entre as sociedades e as nações
    4. Da igualdade de gêneros perante a lei e as instituições religiosas
    5. Pela liberdade de expressão em qualquer lugar
    6. Pela sustentabilidade do planeta
    7. Pela proteção da vida selvagem
    8. De rejeitar qualquer movimento ou ação terrorista
    9. De rejeitar qualquer tipo de violência
    10. De votar item por item a própria Constituição que regirá o governo
    11. De ampliar a democracia ao direito de deseleger quem perca a confiança do eleitor
    12. De ter voz decisiva nas decisões de Estado, por votação popular. 
    13. Da Justiça independente da política
    14. Da nomeação de Juízes do Supremo Tribunal e Ministros por votação popular. 
    Blog recomendado para assuntos gerais relacionados ou não com este tema: